Bolsa
Lisboa recua 3% na oitava semana de ganhos da Europa
27 Julho 2012, 19:31 por Diogo Cavaleiro | diogocavaleiro@negocios.pt
Enviar por email
Reportar erro
0
Em semana de resultados, a EDP Renováveis foi a cotada mais penalizada: afundou 7,5%. PT, EDP e Jerónimo Martins recuaram mais de 4% e deixaram o PSI-20 no vermelho pela segunda semana consecutiva. Ao contrário das praças europeias.
Foi a segunda semana consecutiva de desvalorizações da bolsa nacional. O PSI-20 caiu perto de 3% nos últimos cinco dias, queda de uma dimensão que não se verificava desde o final de Maio.

Numa semana em que os mercados caminharam do pessimismo exacerbado à euforia, a praça de Lisboa não conseguiu acompanhar o desempenho das pares europeias. Há já oito semanas que a Europa ganha terreno. Um ciclo de valorizações que não se verificava desde Janeiro de 2006, de acordo com a agência Bloomberg.

As indicações de que Mario Draghi, presidente do Banco Central Europeu, e os líderes políticos da região vão fazer tudo o que está ao seu alcance para resolver a crise da dívida foram os motivos para o optimismo europeu. Desempenho que se seguiu ao vermelho causado pela confirmação de que três comunidades de Espanha vão pedir ajuda ao governo central, intensificando receios de que o país possa ter de receber um resgate integral (além do que é cedido à banca).

Madrid esteve, portanto, no centro da turbulência na semana. O IBEX-35, que terminou a semana passada com um deslize de quase 6%, encerrou esta semana com um ganho de 5,94%.

Renováveis afunda para mínimos históricos

Lisboa, num período em que os resultados dominaram as atenções dos investidores, não seguiram esse comportamento. A empresa que mais resvalou foi a EDP Renováveis.

A cotada liderada por Manso Neto, que apresentou um aumento de 12% dos lucros no semestre ao mesmo tempo que divulgou que a dívida aumentou e o investimento caiu, cedeu 7,48% para terminar nos 2,461 euros. A empresa que chegou à bolsa, em 2008, a valer 8 euros por acção caiu, ontem, aos 2,252 euros, o preço mais baixo de sempre.

Já a casa-mãe EDP perdeu 4,34%, também depois de ter apresentado uma redução de 4% dos lucros, ainda que inferior à esperada. Nota para a Galp Energia, que recuou 1,76% para os 10,59 euros, apesar de divulgar resultados acima do estimado.

A Portugal Telecom esteve também na linha da frente das empresas que penalizaram Lisboa na semana. A operadora recuou 4,54% para os 3,299 euros. A Zon Multimédia caiu 1,92% - que apresentou ontem uma subida de 3% dos lucros - e a Sonaecom cedeu 2,56% - que divulgou um crescimento de 20% do resultado líquido na segunda-feira.

JM cai mais de 4% com vendas mais brandas na Polónia

Também foram os números que pressionaram a cotação da Jerónimo Martins. A retalhista cedeu 4,06% para os 12,63 euros, tendo descido abaixo da fasquia dos 12 euros, o que já não acontecia há nove meses. A operadora apresentou resultados mas o abrandamento do crescimento das vendas na Polónia afugentou os investidores.

A concorrente Sonae, que só numa sessão chegou a subir mais de 5%, acabou por ser a empresa que impediu um maior deslize da praça nacional, ao ganhar 1,88%.

BPI e BCP caem, BES sobe

Na banca, o BPI cedeu 2,91% para os 0,50 euros, precisamente o preço a que as novas acções vão ser vendidas no âmbito do aumento de capital em curso. Ainda assim, a subida de 7,5% dos lucros no primeiro semestre foi superior à prevista.

O BCP perdeu 1,06% para os 0,093 euros, antes de apresentar prejuízos na ordem dos 544 milhões de euros no semestre. Já o BES, que só apresenta contas semestrais na segunda-feira, subiu 0,20% para os 0,495 euros.

Enviar por email
Reportar erro
0
pesquisaPor tags: