Research Lucros da Navigator terão aumentado 26% com subida dos preços

Lucros da Navigator terão aumentado 26% com subida dos preços

A subida dos preços da pasta e do papel continuam a beneficiar os resultados da Navigator, que terão aumentado 26% no segundo trimestre.
Lucros da Navigator terão aumentado 26% com subida dos preços
Miguel Baltazar
Nuno Carregueiro 17 de julho de 2017 às 10:25

A Navigator terá fechado o segundo trimestre com um resultado líquido de 52 milhões de euros, o que corresponde a um crescimento de 26% face ao mesmo período do ano passado e de 48% contra os primeiros três meses deste ano.

 

A previsão é do Haitong, que diz que esta melhoria nos resultados se deve à recuperação dos preços da pasta.

 

Numa nota de "research" publicada esta segunda-feira, 17 de Julho, o banco de investimento estima que a Navigator tenha registado receitas de 418 milhões de euros (crescimento homólogo de 6%), como um EBITDA de 106 milhões de euros (aumento homólogo de 5%).

 

As vendas de papel da ex-Portucel terão aumentado 1% em quantidade, enquanto na pasta o crescimento foi de 50% devido à entrada em produção da expansão da fábrica de Cacia.

 

No que diz respeito à dívida, o Haitong estima que tenha crescido para 700 milhões de euros (contra 616 milhões de euros em Março), devido ao pagamento de 170 milhões de euros em dividendos aos accionistas.

 

"Continuamos positivos na Navigator, numa altura em que a empresa beneficia de um momento positivo no EBITDA que deverá ser suportado pelo preço do papel", refere o analista Nuno Estácio, que avalia as acções em 4,60 euros, com um preço-alvo de "comprar".

 

A Navigator vai publicar os resultados do segundo trimestre a 27 de Julho, antes da abertura da bolsa. 

Nota: A notícia não dispensa a consulta da nota de "research" emitida pela casa de investimento, que poderá ser pedida junto da mesma. O Negócios alerta para a possibilidade de existirem conflitos de interesse nalguns bancos de investimento em relação à cotada analisada, como participações no seu capital. Para tomar decisões de investimento deverá consultar a nota de "research" na íntegra e informar-se junto do seu intermediário financeiro. 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 5 dias

A EDP também dá lucros consideráveis. A questão é sempre "À custa de quê?".

comentários mais recentes
Anónimo Há 5 dias

É uma empresa que tem sido levada ao colo pelo Estado desde que foi fundada. Está repleta de ineficiências e excedentarismo. A gestão é medíocre ou apática e os colaboradores capturaram a organização. Podia dar 3 vezes mais lucro com metade dos colaboradores actuais. Podia inovar e expandir-se na criação de valor em inúmeras outras áreas de negócio tornado-se ainda maior e transformando-se num verdadeiro potentado que puxasse pela economia portuguesa no seu todo. Não é nada disso. Faz lembrar o monstro de corrupção, obscuridade, promiscuidade estatal e desperdício em que se tornaram algumas das maiores empresas brasileiras. E todos sabem em que é que isso deu no Brasil...

Anónimo Há 5 dias

Enquanto não liberalizarem a concorrência e o comércio internacional do sector os contribuintes, os consumidores e os investidores manter-se-ão reféns da extorsão promovida por sindicalistas e capitalistas de compadrio selvagens.

Anónimo Há 5 dias

A EDP também dá lucros consideráveis. A questão é sempre "À custa de quê?".

pub
pub
pub
pub