Bolsa Maior hedge fund do mundo aumenta aposta na queda das acções europeias

Maior hedge fund do mundo aumenta aposta na queda das acções europeias

A Bridgewater Associates revelou que constituiu uma posição curta de mil milhões de dólares na alemã Siemens. A aposta na queda das acções europeias já ascende a 14 mil milhões de dólares.
Maior hedge fund do mundo aumenta aposta na queda das acções europeias
Rau Dalio alertou em Davos que a desvalorização do dólar estava a estimular um já estimulado mercado global
Lucy Nicholson
Negócios com Bloomberg 12 de fevereiro de 2018 às 16:26

A Bridgewater Associates tem uma posição de 14 mil milhões de dólares a apostar na queda de diversas acções europeias, um valor bem superior ao verificado anteriormente e que multiplica por quatro o montante verificado há apenas um mês.

 

Esta soma surge depois daquele que é o maior hedge fund do mundo ter revelado que tem uma posição curta (que beneficia com a queda dos títulos) na alemã Siemens no valor de mil milhões de dólares. É esta agora a maior aposta "short" da Bridgewater Associates, na Europa.

 

De acordo com a lista divulgada pela Bloomberg, as apostas curtas ascendem a 1.000 milhões de dólares na francesa Total, 790,9 milhões de dólares no banco italiano Intesa Sanpaolo, 747,95 milhões no espanhol Santander, 692,67 milhões na italiana Enel e 656,22 milhões na petrolífera italiana Eni. A Sanofi, o BNP Paribas,o ING Groep e a ASML são as quatro cotadas europeias que fecham o ranking das 10 principais apostas "short" do Bridgewater Associates.

 

Com este aumento considerável da aposta na queda das acções europeias, este hedge fund terá realizado ganhos potenciais consideráveis nas últimas duas semanas, pois neste período as cotadas europeias (e mundiais) registaram desvalorizações acentuadas. As desvalorizações na semana passada foram as mais fortes em dois anos. Hoje os mercados europeus estão hoje recuperar, acumulando ainda assim uma queda de 4% desde o arranque de 2018.    

 

O Bridgewater Associates tem até aqui apostado sobretudo na desvalorização da bolsa italiana, assumindo posições curtas em várias das principais cotadas da praça de Milão, por acreditar que as eleições legislativas agendadas para Março vão aumentar a instabilidade do país. Este investidor estima que não haverá um claro vencedor das eleições, o que evidenciará a incapacidade do país em produzir as necessárias reformas económicas. Em termos de sectores, a preferência para assumir posições curtas vai para a energia, indústria e construção.

 

Rau Dalio, fundador da Bridgewater Associates, alertou em Davos (antes de as bolsas começarem a cair com força) que a desvalorização do dólar estava a estimular um já estimulado mercado global, antecipando que a próxima viragem económica estaria para breve.




A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Os tubarões já viram o barco a meter água e estão a abandonar o barco!!!

Anónimo Há 1 semana

falhou o copy-paste ou o find-and-replace, Ray Dalio nao Rau Dalio....

Ciifrão Há 1 semana

Eles apostam sempre na desgraça, nem que se desgracem.

General Ciresp Há 1 semana

Afinal o ditado nao mente:um mal nunca e mau para todos.Quem procura no lixo,pode ser surpreendido.O rico q vive do mal,quem o criou e TREPO.O mal nao da saida a quem o originou,mas enriquece quem o explora.Sem mal havia menos emprego.Sem mal a hostia nao tinha paladar.

ver mais comentários
pub