Crédito Malparado nas famílias cai pelo sexto mês

Malparado nas famílias cai pelo sexto mês

O crédito à habitação voltou a determinar a descida do incumprimento nos créditos detidos por particulares, segundo dados do Banco de Portugal.
Malparado nas famílias cai pelo sexto mês
Miguel Baltazar
Patrícia Abreu 10 de Janeiro de 2017 às 12:23

O nível de crédito de cobrança duvidosa das famílias portuguesas recuou, em Novembro, pelo sexto mês consecutivo. A menor taxa de incumprimento nos empréstimos para a compra de casa continuam na justificar esta evolução positiva, revelam os dados do Banco de Portugal divulgados esta terça-feira, 10 de Janeiro. O nível de malparado nas empresas também baixou.


O montante de crédito vencido das famílias atingiu os 4.850 milhões de euros, no final de Novembro, mantendo-se em mínimos de Junho de 2012, segundo os dados conhecidos esta manhã. Este valor é ligeiramente inferior aos 4.851 milhões registados um mês antes e equivale a 4,13% do "stock" de crédito no segmento de particulares (117.499 milhões de euros), no final de Novembro.


A taxa de incumprimento no crédito à habitação foi, mais uma vez, determinante para a evolução positiva do malparado. Dos 94.745 milhões de euros alocados em crédito à habitação, havia no final de Novembro 2.367 milhões de euros em crédito vencido, o que equivale a uma taxa de incumprimento de 2,5%. Esta percentagem é inferior aos 2,52% fixados em Outubro e abaixo dos 2,72% registados no mês anterior.


No crédito ao consumo a tendência foi a oposta, pois o nível de malparado aumentou. Atingiu 1.099 milhões de euros, acima dos 1.066 milhões registados um mês antes.


Tal como nas famílias, também o nível de incumprimento nas empresas baixou em Novembro. O malparado nas empresas atingiu 12.802 milhões de euros, abaixo dos 12.880 milhões fixados em Outubro. Este valor corresponde a uma taxa de incumprimento de 16,4% do montante total emprestado pelas sociedades financeiras ao tecido empresarial.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub