Crédito Malparado recua para mínimos de Junho de 2012

Malparado recua para mínimos de Junho de 2012

O montante de crédito de cobrança duvidosa recuou, em Setembro, tanto nas famílias como nas empresas. É o valor mais baixo em mais de cinco anos.
Malparado recua para mínimos de Junho de 2012
Bruno Simão/Negócios
Raquel Godinho 14 de novembro de 2017 às 13:35

As instituições financeiras nacionais tinham, no final de Setembro, 14.770 milhões de euros em crédito malparado, de acordo com os dados publicados pelo Banco de Portugal, esta terça-feira. É preciso recuar a Junho de 2012 para encontrar um montante mais baixo. E a tendência de queda verificou-se tanto nas famílias como nas empresas.


O montante de crédito de cobrança duvidosa nos particulares ascendeu a 4.770 milhões de euros. Ficando abaixo dos 4.869 milhões de euros registados, em Agosto. Mas foi nas empresas que a queda foi mais expressiva. O montante de malparado ascendeu a 10.000 milhões de euros, um mínimo de Dezembro de 2012.


Ainda nos empréstimos às famílias, é no crédito à habitação que o malparado é mais elevado. Ascende a 2.091 milhões de euros e representa 2,23% de todo o dinheiro concedido para a compra de casa. No mês anterior, o crédito de difícil recuperação tinha ascendido a 2.112 milhões de euros.


No consumo, o malparado totalizou 720 milhões de euros, recuperando face aos 747 milhões de euros do mês anterior. Trata-se, assim, de 5,39% do "stock" de crédito ao consumo. Já no crédito para outros fins, o malparado ascende a 1.959 milhões de euros, ou 23,9% do total de empréstimos neste segmento. Recuou face aos 2.010 milhões de euros do mês anterior. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub