Obrigações Marcelo desvaloriza juros na emissão de dívida: "Não há razão para alarme"

Marcelo desvaloriza juros na emissão de dívida: "Não há razão para alarme"

O Presidente da República alude à evolução dos preços no consumidor no espaço de um ano para relativizar o aumento dos juros na emissão sindicada de ontem. E recusou falar sobre o cenário de nacionalização do Novo Banco.
Marcelo desvaloriza juros na emissão de dívida: "Não há razão para alarme"
Miguel Baltazar
Paulo Zacarias Gomes 12 de janeiro de 2017 às 18:17

O Presidente da República diz não ver razão para alarme nos juros pagos por Portugal na emissão de dívida desta quarta-feira – de 4,227%, os mais elevados numa operação semelhante desde a saída da troika.

"Acompanho a situação, mas penso que a reacção dos mercados ontem mostra que - tirando o factor da inflação, que pesou e vai pesar - quanto ao resto, penso que não há razão para alarme," afirmou Marcelo Rebelo de Sousa.

O Chefe de Estado, que falava aos jornalistas em Lisboa depois da sessão de abertura do Congresso dos Jornalistas, justificou o seu entendimento com a evolução dos preços ao consumidor no último ano.

"[A emissão] responde a uma parte substancial do que [Portugal] precisava para o ano. Depois da emissão os juros dos mercados desceram abaixo dos 4%. Quando comparamos 4,2% com 3,2% no ano passado, a inflação era de 0% e agora está algures entre 0,6% e 1% e isso tem de ser abatido na taxa nominal", argumentou. Regra geral, quando a inflação aumenta os investidores tendem a exigir retornos mais elevados para investirem.

Esta quinta-feira os juros associados à negociação das obrigações soberanas portuguesas em mercado secundário aliviaram, recuando 6,7 pontos base para 3,907%. Ontem o Tesouro levantou 3.000 milhões de euros com a operação.

Sobre a possibilidade de nacionalização do Novo Banco – que tem sido defendida com várias "nuances" à esquerda e hoje ganhou o apoio do social-democrata Rui Rio -, Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar. "O processo de venda está em curso – para já não considero nada. O processo está em curso. É prematuro que o Presidente da República se manifeste sobre essa matéria," afirmou.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Ciao Ciao 12.01.2017

marcelo continua em marte, depois do fiasco do funeral de soares onde a populaçao se marimbou ( aquilo foi mais uma festa entre politicos e afins com ois mesmos interesses no pote ), agora diz que nao comenta e que a compra de dinheiro a 4,5% ate nem e mau de todp, SERA QUE AINDA ENGANA MAIS ALGUM TUGA OU JA ESTAO VACINADOS CONTRA ESTES ARTISTAS???

comentários mais recentes
pertinaz 12.01.2017

SIM, SIM... NA PRIMEIRA OPORTUNIDADE DÁ UMA FACADA AO ESTUPOR DO COSTA

Anónimo 12.01.2017

Estamos no bom caminho... O Titanic estava a ir ao fundo e os músicos continuavam a tocar. O País está com mais dívida e mais défice mas está tudo bem, o senhor Presidente continua a distribuir beijos e abraços.
No pasa nada.

Ciao Ciao 12.01.2017

marcelo continua em marte, depois do fiasco do funeral de soares onde a populaçao se marimbou ( aquilo foi mais uma festa entre politicos e afins com ois mesmos interesses no pote ), agora diz que nao comenta e que a compra de dinheiro a 4,5% ate nem e mau de todp, SERA QUE AINDA ENGANA MAIS ALGUM TUGA OU JA ESTAO VACINADOS CONTRA ESTES ARTISTAS???

pub
pub
pub
pub