Bolsa Mário Ferreira: "Fará sentido um IPO daqui a três anos ou quatro anos“

Mário Ferreira: "Fará sentido um IPO daqui a três anos ou quatro anos“

O líder da Douro Azul não descarta retomar a ideia de ir para a bolsa. Mas dada a internacionalização da empresa pondera ir para um mercado lá fora.
Mário Ferreira: "Fará sentido um IPO daqui a três anos ou quatro anos“
Rui Barroso 24 de maio de 2017 às 16:26

Há oito anos a Douro Azul esteve a postos para entrar em bolsa, mas acabou por não dar esse passo. Apesar da empresa não ter ido para o mercado, Mário Ferreira considera que esse processo de ida para o mercado acabou por ter vantagens. E pondera estudar uma ida para a bolsa nos próximos três a quatro anos. Mas provavelmente num mercado no estrangeiro, dada a internacionalização da empresa.

 

"A nossa maior empresa já é na Alemanha. Fará sentido fazer um IPO [oferta pública inicial] daqui a três a quatro anos. Mas fará sentido fazê-lo noutro sítio", disse o responsável da Douro Azul no Via Bolsa, evento organizado pela Euronext que se realizou esta quarta-feira no Porto.

 

Apesar do processo de admissão à bolsa não se ter concretizado, Mário Ferreira considera que foi "importante" e que "ainda hoje a empresa beneficia com isso", especialmente em relação "à transparência e à governação". E a empresa já recorreu ao mercado para se financiar através de obrigações. 

 

Apesar de Mário Ferreira apontar a bússola a um mercado no estrangeiro para cotar a sua empresa, Manuel Ferreira da Silva, administrador do BPI, discorda dessa necessidade de optar por mercados de capitais estrangeiros. E dá exemplos de sucesso no mercado nacional, como a Corticeira Amorim.

 

"Não é preciso ir cotar numa bolsa lá fora", defende o responsável do BPI. Manuel Ferreira da Silva observa que no mercado português "existem investidores". E que o problema é de falta de oferta de empresas para investir. "A oferta está muito reduzida".

E revela o exemplo que considera ser de sucesso da Corticeira Amorim e do trabalho que foi feito na identificação da procura e em encontrar a história certa para mostrar aos investidores. Isso, em paralelo com o aumento do free float da empresa, resultou num desempenho positivo das acções. 




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Y 25.05.2017

Grande parolo

LOLOL 25.05.2017

YOU SLAVE TO THE MONEY THEN YOU DIE. Vê-se logo que este zé merdas veio do nada.

LNG 25.05.2017

Faz sentido é: 1. Teres concorrência, 2. Pegares nos barquinhos e desapareceres daqui para fora.

Anónimo 25.05.2017

Coitado do borrado... Pensa que e gente... Se nao fosse o douro coitadito dele... Leva os barcos todos que nao faltara quem volte a investir...

ver mais comentários
pub