Bolsa Matérias-primas pressionam Wall Street

Matérias-primas pressionam Wall Street

Os principais índices bolsistas do outro lado do Atlântico mantiveram a tendência baixista, desta vez com as matérias-primas, especialmente o petróleo e metais industriais, a terem o maior peso nas quedas.
Matérias-primas pressionam Wall Street
Carla Pedro 15 de novembro de 2017 às 21:06

O Standard & Poor’s 500 fechou a ceder 0,55% para 2.564,62 pontos e o Dow Jones recuou 0,59% para 23.271,28 pontos.

 

Por seu lado, o tecnológico Nasdaq Composite desvalorizou 0,47% para 6.706,21 pontos.

 

Depois de ontem as bolsas norte-americanas terem sido sobretudo penalizadas pelas quedas da General Electric, que se arrastaram a todo o sector industrial, bem como pelos dados económicos provenientes da China - que foram considerados decepcionantes e lançaram novos receios quanto à retoma da economia global -, hoje foram as "commodities" que mais pesaram na tendência.

 

Entre as matérias-primas, foi o petróleo que mais penalizou as bolsas. Os preços do "ouro negro" desceram, devido ao novo aumento das reservas norte-americanas de crude, tendo penalizado as cotadas do sector da energia e castigado os mercados accionistas de uma forma geral.

 

Além disso, também os metais industriais tiveram um desempenho generalizadamente negativo na sessão de hoje, castigando as cotadas do sector – que ainda esperam pelos anunciados fortes investimentos da Administração norte-americana em infra-estruturas.

 

As praças em Wall Street continuam ainda a ser pressionadas pelo facto de o Senado ter revelado que o seu plano fiscal prevê um adiamento, para 2019, da redução de IRC. O que significa que parece cada vez mais difícil ver a reforma fiscal ser aprovada ainda em 2017.

 

Os investidores vão estar também atentos, amanhã, à divulgação de vários indicadores económicos dos EUA. Como habitual, serão conhecidos os pedidos de subsídio de desemprego relativos à semana passada. E será ainda divulgado o índice de preços na importação e exportação, bem como a produção industrial de Outubro. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub