Bolsa Melhor bolsa de 2016 atinge recorde e a culpa é da libra

Melhor bolsa de 2016 atinge recorde e a culpa é da libra

No Reino Unido o mercado cambial e o accionista estão em direcções opostas. A queda da libra beneficia as companhias exportadoras e levou o FTSE a fixar um novo máximo histórico.
Melhor bolsa de 2016 atinge recorde e a culpa é da libra
Bloomberg
Nuno Carregueiro 11 de Outubro de 2016 às 12:57

O FTSE 100 fixou esta manhã um histórico que perdurava desde Abril do ano passado. O principal índice da bolsa de Londres sobe 0,44% e já negociou nos 7.129,83 pontos.

 

A valorização das acções das cotadas britânicas deve-se sobretudo à queda acentuada da libra, que beneficia sobretudo as empresas exportadoras, pois os seus produtos ficam mais competitivos no exterior.

 

A libra está a descer perto de 1% e a negociar abaixo de 1,23 dólares, na quarta sessão em terreno negativo para a divisa, depois de vários analistas terem revisto em baixa as suas projecções.

 

Uma queda abrupta de 6% levou a libra, na sessão de sexta-feira, a atingir um mínimo de mais de 30 anos nos 1,1841 dólares. Desde esse dia várias instituições financeiras, como o ING Groep NV, JPMorgan e Julius Baer Group, reduziram as suas previsões para a moeda do Reino Unido.

 

A divisa do Reino Unido sofreu fortes desvalorizações desde que os eleitores do Reino Unido votaram, no final de Junho, a favor da saída da União Europeia. E tem sido incapaz de recuperar terreno, numa altura em que persistem dúvidas sobre a forma como o país vai negociar a sua retirada do bloco dos 28.

 

Tem sido a evolução no mercado cambial a ditar o rumo da bolsa de Londres, que apesar do Brexit já acumula uma valorização de 14,2% este ano, enquanto a maioria das bolsas europeias está em terreno negativo em 2016.

 

De acordo com a Bloomberg, a bolsa de Londres é a que apresenta mesmo o melhor desempenho este ano entre os mercados desenvolvidos.

 

Contudo, os analistas não estão muito confiantes que o FTSE possa manter esta trajectória ascendente, e aguardam até uma correcção até final do ano.

 

De acordo com a média das estimativas de 9 casas de investimento contactadas pela agência de notícias, o FTSE deverá fechar este ano numa cotação que representa uma queda de 5,9% face ao fecho de segunda-feira.


"O efeito da libra não pode durar para sempre, e não vejo onde se poderá encontrar outra justificação" para a subida da bolsa de Londres, disse à Bloomberg Tim Rees, da Insight Investment Management. "Não será a economia, isso é certo. Há muitas incertezas sobre os impactos do Brexit", acrescentou. 




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Só vendo SONAESGPS A 1.70euros!

Não te estou a ouvir Há 3 semanas

Oh Passos! então estes que se recusam obedecer a Berlin, estão a exportar mais à conta de terem abandonado o barco cheio de ratos ladrões como é o caso do teu amigo Barrosão? Explica-te homem. Então não era suposto estarem na bicha para comprarem carvão, agora que tinham voltado à idade das trevas?

Mario Há 3 semanas

Claro. E nós com o Euro... Isto salta à vista de qualquer um. Ainda vamos todos chegar a acordo de que o Reino Unido tomou a decisão certa. A União só serve os burocratas, que vivem luxuosamente à custa de todos os que produzem na Europa.

Anónimo Há 3 semanas

A bolsa sobe 14%, a moeda cai o mesmo ou mais... onde estão os ganhos? Em valor absoluto pode ter subido, mas em valor real desce. Simples, não?

pub