Obrigações Mercado dá voto de confiança à dívida portuguesa. E a Fitch?
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Mercado dá voto de confiança à dívida portuguesa. E a Fitch?

A Fitch pode pronunciar-se sobre Portugal esta sexta-feira. A agência já teve o "rating" prestes a sair de "lixo" mas voltou atrás em Março de 2016. Portugal melhorou o cartão de visita e fez uma emissão de dívida que deu sinais positivos. Será suficiente?
Mercado dá voto de confiança à dívida portuguesa. E a Fitch?
Miguel Baltazar/Negócios
Rui Barroso 16 de junho de 2017 às 07:00

Foi, das três grandes agências, a que já esteve mais perto de retirar Portugal de "lixo". Mas em Março do ano passado decidiu baixar a perspectiva para o "rating" de positiva para negativa. E nas últimas vezes que se tem )

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 16.06.2017

Obrigado troika. Obrigado Pedro Passos Coelho.

comentários mais recentes
Anónimo 16.06.2017

Em suma, Portugal precisa de governos capazes de fazer o que Macron promete fazer ("Ingressaremos gradualmente numa época em que ter um emprego vitalício baseado em tarefas que não são justificadas será cada vez menos sustentável - na verdade já estamos lá." - Emmanuel Macron) e Schäuble afirma que Schröder já fez na Alemanha ("Alemanha e a França estavam praticamente ao mesmo nível em termos de performance económica em 2003, antes de o antigo chanceler Gerhard Schröder ter implementado uma reforma na área laboral." - Wolfgang Schäuble).

Anónimo 16.06.2017

Obrigado troika. Obrigado Pedro Passos Coelho.

Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
pub
pub
pub