Obrigações Mercado reforça aposta na saída de Portugal do "lixo" este ano 

Mercado reforça aposta na saída de Portugal do "lixo" este ano 

A Moody's seguiu os passos da Fitch e melhorou a perspectiva para o "rating". E no mercado essa decisão pode levar a uma descida dos prémios de risco, com os investidores a especularem num regresso a grau de investimento este ano.
Mercado reforça aposta na saída de Portugal do "lixo" este ano 
Miguel Baltazar/Negócios

A Moody's melhorou a perspectiva para o "rating" de Portugal de estável para positiva. Mas deixou a notação inalterada em Ba1, a um nível de sair de lixo. Seguiu as pisadas da Fitch, que tomou a mesma decisão em Junho deste ano. Esta agência ainda se pode manifestar sobre Portugal este ano, em Dezembro. E com a Moody's a confirmar a perspectiva de trajectória positiva do "rating", o mercado pode reforçar a aposta num regresso a grau de investimento.

 

Antes da decisão da Moody's ter sido divulgada, os analistas do Commerzbank referiam, numa nota a investidores que "ainda viam potencial para as obrigações portuguesas baterem o desempenho dos títulos italianos devido à especulação de uma subida para grau de investimento por parte da Fitch no final de ano". A agência pode pronunciar-se sobre Portugal a 15 de Dezembro.

 

No entanto, Christoph Rieger, analista do Commerzbank tinha referido ao Negócios que essa é uma previsão difícil de fazer, já que, além de se manter a consolidação orçamental e o dinamismo da economia, é necessário que o mercado não reaja de forma adversa à retirada das compras do BCE.

 

Os analistas, o Governo e até a Comissão Europeia têm discutido nos últimos meses sobre se Portugal apresenta melhorias suficientes para ter um "rating" de grau de investimento. Mas as agências querem jogar pelo seguro e é improvável que tirem Portugal de "lixo" antes de conhecer as medidas do Orçamento do Estado para 2018 e os dados da economia e da dívida para a quase totalidade de 2018.

 

A S&P ainda pode manifestar-se sobre o "rating" este mês, a 15 de Setembro. Mas o "modus operandi" destas entidades é de cautela nas subidas, melhorando primeiro a perspectiva antes de se comprometerem com um melhor "rating", pelo que não se antecipa uma retirada de "lixo", já que a S&P tem a perspectiva estável.

 

Rui Serra, economista do Montepio, considera que "começam a estar reunidas as condições" para Portugal sair de "lixo". Mas sublinhou que "o OE de 2018 terá necessariamente de prosseguir com a consolidação orçamental de modo a ter o "aval" das agências de 'rating'". 

 

Moody's admite decisão em 12 meses

A Moody's tinha sido  a primeira a colocar Portugal em "lixo" no Verão de 2011. Mas agora admite que pode subir o "rating" em 12 meses. Justificou a melhoria do "outlook" com a a "melhoria da resiliência do crescimento dada a recuperação no investimento; os esforços orçamentais significativos" e com "a melhoria na estrutura da dívida".

As próximas decisões para o "rating" de Portugal

Depois da Fitch e da Moody's, o mercado aguarda pela decisão da S&P para aferir se sobe também a perspectiva para positiva.

S&P  - 15 de Setembro
A S&P tem o "rating" de Portugal a um nível de sair de lixo com perspectiva estável. Depois da melhoria do "outlook" por parte da Fitch e da Moody's, o mercado espera para ver se a S&P toma a mesma decisão.

DBRS - 20 de Outubro
A DBRS é a única da agência seguida pelo BCE que avalia Portugal acima de "lixo", um nível apenas acima desse patamar. Mas com a tendência positiva do "rating" junto da Moody's e a da Fitch, as decisões da DBRS têm tido menos atenção do mercado.

Fitch - 15 de Dezembro
Após a revisão da perspectiva para positiva em Junho, a Fitch deixou o "rating" mais perto de sair de "lixo" e tem uma data potencial para o fazer. Mas a Fitch já teve o "rating" nessa situação entre 2014 e 2016 sem o melhorar.

Moody's - 2018
A Moody's já não tem nenhuma data agendada em 2017 para se poder pronunciar sobre o "rating". Mas poderá fazê-lo no início de 2018, já com mais informação disponível para confirmar ou não as tendências que poderão significar uma saída de "lixo".






A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga Há 2 semanas

Tenho que admitir que estes malabaristas xuxas são mesmo BONS !!!!!!!!!

Até os gajos sábios (que davam rating top ao L Brothers....) conseguem enganar.... Qual será o segredo?!

Anónimo Há 2 semanas

Dívida bruta das Administrações Públicas:
2005 106.919,5
2006 115.002,2
2007 120.088,5
2008 128.191,4
2009 146.691,3
2010 173.062,5
2011 196.231,4
2012 212.556,0
2013 219.714,9
2014 (R)226.030,6
2015 Pro231.540,4
2016 Pro241.060,9
Vejam a diferença da divida entre 2005 e 2011, anos de governação do socrates, 90 MIL MILHÕES DE EUROS em 6 anos!!! Explica a bancarrota de 2011. Atualmente de 2015 para 2016 cresceu 10 mil milhões num ano e este ano em 7 meses já vai em 9 mil milhões. Com os socialistas não tem nada que inventar, o resultado é sempre o mesmo. O maior cego é o que não quer ver.

pertinaz Há 2 semanas

CONVERSA DA TRETA... OS FUNDAMENTAIS NÃO MELHORARAM... O NÍVEL DA DÍVIDA PÚBLICA MANTÉM-SE INACEITÁVEL...!!!

DJ viajante Há 2 semanas

Vamos ver se a bolsa recupera, caso nao o lixo continua bem presente

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub