Obrigações Moçambique arrisca entrar em “default” na próxima semana

Moçambique arrisca entrar em “default” na próxima semana

Moçambique enfrenta o pagamento de uma taxa de cupão de uma obrigação emitida. JPMorgan diz que o país não tem fundos para fazer face a esse compromisso.
Moçambique arrisca entrar em “default” na próxima semana
Reuters
Rui Barroso 13 de janeiro de 2017 às 18:26
Analistas e investidores divergem sobre se Moçambique conseguirá pagar na próxima semana uma taxa de cupão de uma obrigação em dólares. Caso falhe esse pagamento, entra em incumprimento. Os analistas do JPMorgan antecipam que Moçambique não irá honrar esse compromisso. Já um antigo responsável do FMI, que representa um grupo de credores, considera que a posição de liquidez do país melhorou e que há condições para fazer esse pagamento, segundo a Bloomberg.

Em causa está o pagamento de um juro de 60 milhões de dólares na próxima quarta-feira, 18 de Janeiro, referente a uma obrigação de 727 milhões de dólares com uma taxa de cupão de 10,5% que foi emitida no ano passado. O JPMorgan defendeu, numa nota citada pela Bloomberg, que dada a retórica do governo é "bastante improvável" que esse pagamento ocorra.

Após o FMI ter cortado na assistência financeira ao país, devido à descoberta de que havia dívida no valor de mil milhões de dólares oculta, o governo moçambicano anunciou em Outubro que iria tentar um acordo com os credores para reestruturar empréstimos com garantia estatal concedidos a duas empresas públicas e também aos detentores de obrigações.

A Lazard Freres, assessor financeiro que representa o estado moçambicano, revelou que o governo não tinha fundos para fazer face aos pagamentos relacionados com a dívida este ano. E isso levou a que alguns dos obrigacionistas formassem um comité para defender a sua posição, argumentando que havia razões para terem tratamento preferencial, já que as garantias estatais dos outros empréstimos a empresas públicas eram ilegais.

Além disso, Charles Blitzer, antigo responsável do FMI que representa o grupo de obrigacionistas, considera que "a situação melhorou desde Outubro" e que Moçambique tem condições para fazer o pagamento. E avisou que "é do interesse de Moçambique e também dos detentores de obrigações que o cupão seja pago. Não vejo que haja boas consequências se isso não acontecer".



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Portugal dos pequeninos 15.01.2017

Se o governo português fosse de Portugal os grandes, comprava divida moçambicana a 2% abaixo do mercado e tornava-se o principal credor de moçambique, mas para isso era preciso não ter um PM monhé !

Pedro 14.01.2017

As ex colónias estão entregues, quase todas, a quem não tem preocupação de planos a longo prazo. Triste sina.

Anónimo 13.01.2017

Resta à CPLP ir a Bruxelas pedir o resgate .. para todos ..

saraiva14 13.01.2017

Taxa de juro do cupão: 10,5%! Isso são empréstimos que não são para ajudar países em dificuldades! São para os afundar ainda mais! É apertar o garrote!

pub
Notícias Relacionadas
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub