Câmbios Moeda chinesa interrompe rally recorde

Moeda chinesa interrompe rally recorde

Depois de duas sessões em que registou a maior apreciação desde que se iniciou a transacção "offshore" da moeda, o yuan recuou mais de 1%, a maior queda no espaço de um ano.
Moeda chinesa interrompe rally recorde
Bloomberg
Paulo Zacarias Gomes 06 de janeiro de 2017 às 10:12

O valor do yuan transaccionado em Hong Kong interrompeu esta manhã as valorizações das últimas sessões, tendo chegado a registar a maior queda intradiária no espaço de um ano, depois de o banco Goldman Sachs ter recomendado que está na altura de os investidores se desfazerem da divisa.

Após ter estado a apreciar 2,5% nas últimas duas sessões – no maior ganho de sempre em dois dias desde que a negociação offshore foi criada, em 2010 -, a moeda chinesa chegou a recuar 1,02% para 0,145 dólares (6,85 yuan por dólar), horas depois de o banco central chinês ter reforçado a referência para a negociação da moeda, na maior alteração a este parâmetro desde 2005.

A taxa diária de referência foi aumentada em 0,92% para os 6,8668 yuan por dólar esta sexta-feira, um movimento que analistas citados pelo Financial Times dizem ser de esperar, dado o rally dos últimos dias na moeda chinesa que transacciona offshore e onde não há limites para a variação da moeda (ao contrário, na negociação onshore, é estabelecido um intervalo de variação de 2%).

O banco Goldman Sachs recomendou aos clientes a aposta contra o yuan quando as preocupações com a evolução da economia chinesa estejam fora dos radares dos traders. Os analistas do Goldman prevêem ainda que as autoridades chinesas continuem a deixar depreciar a divisa chinesa, aguardando que venha a cair para os 7,3 yuan por dólar até ao final do ano.

"O yuan offshore está afundar porque há alguma recuperação do dólar, talvez as apostas na queda do yuan estejam praticamente no fim e isso fecha o diferencial face ao yuan ‘onshore’", disse à Bloomberg, Roy Teo, do banco ABN Amro, que antecipou também que a moeda continue a cair, à medida que a Reserva Federal norte-americana vá aumentando as taxas de juro nos EUA.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub