Obrigações Moody’s: Lisboa é a cidade europeia mais vulnerável a incêndios florestais

Moody’s: Lisboa é a cidade europeia mais vulnerável a incêndios florestais

A agência de notação analisou quatro riscos associados às alterações climáticas em quase três dezenas de cidades. Lisboa está entre as mais expostas, conclui a Moody's.
Moody’s: Lisboa é a cidade europeia mais vulnerável a incêndios florestais
Paulo Zacarias Gomes 12 de dezembro de 2017 às 11:46
Os fenómenos climáticos extremos dos últimos anos deverão constituir desafios para a qualidade do crédito das principais cidades europeias, Lisboa e Porto incluídas. Quem o diz é a Moody’s, numa nota divulgada esta terça-feira, 12 de Dezembro.

Segundo aquela agência de notação, o impacto das alterações do clima nas próximas décadas pode alterar a força económica e financeira das cidades, "o que constitui um componente-chave dos seus perfis de crédito."

Na análise da agência, que abrange 29 grandes cidades e avalia quatro principais riscos – inundação fluvial, inundação marítima, fogos florestais e seca – a capital portuguesa surge destacada em dois destes perigos.

No caso dos fogos florestais, Lisboa é mesmo a cidade considerada mais exposta a este fenómeno entre as cidades analisadas (com 37,4% das áreas urbanas em risco de serem afectadas pelos incêndios), sendo também a par com Atenas aquela que tem maior exposição à seca (com estes episódios a persistirem durante mais de 16 dias consecutivos, quando comparados o intervalos entre os anos 1971 e 2000 com o de 2071 a 2100).

Já o risco de inundações fluviais é nulo (com 0% de área urbana potencialmente afectada), enquanto o de inundação costeira se situa em níveis muito baixos (0,5%).

Quanto ao Porto, o risco de fogos florestais também é dos mais elevados (pode atingir 31,1% do território), enquanto os episódios de seca poderão durar entre 8 e 16 dias seguidos. Os efeitos da subida da água dos rios podem chegar a 1,8% do território, enquanto o potencial impacto de inundações marítimas é nulo.

Os perigos de inundação são mesmo considerados os mais comuns na Europa pela Moody’s, que marca como mais vulneráveis a estes fenómenos as cidades de Roterdão (99,3% da área potencialmente afectada), Antuérpia e Amesterdão, além de Veneza. Riga, na Letónia, tem a área mais elevada que pode vir a ser abrangida por inundações de rios: 18,3%.



A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 dias

LOOOOOOOOL

Só se for Monsanto, porque á volta nem vestígios de floresta.

Anónimo Há 3 dias

O que é que estes gajos percebem de fogos ?

José Há 3 dias

Pode ser que seja desta que os políticos e os cidadãos «urbanos» deste país se lembrem
o problema não é da «província» e que a sua segurança e sobrevivência começa no desenvolvimento do interior, em especial no ordenamento florestal.

pub