Obrigações Moody's não mexe no rating de Portugal

Moody's não mexe no rating de Portugal

A agência de notação financeira optou por não se pronunciar sobre Portugal esta sexta-feira, ao contrário do que estava calendarizado.
Moody's não mexe no rating de Portugal
Bloomberg
Paulo Zacarias Gomes 13 de janeiro de 2017 às 21:52
A agência de rating Moody's, que tinha previsto poder pronunciar-se esta sexta-feira, 13 de Janeiro, sobre o rating e o outlook soberano de Portugal, acabou por não o fazer, em linha com o que a generalidade dos analistas aguardava.

A informação foi prestada ao início da noite, através de comunicado colocado no site da instituição. Além de Portugal, também a Polónia, a Lituânia e o Kuwait, que poderiam assistir a mexidas na sua notação esta sexta-feira, viram adiada essa possibilidade.

A Moody’s tem actualmente uma classificação de Ba1 para Portugal, um nível abaixo de grau de investimento, considerado portanto especulativo, mas com perspectiva estável. Há cerca de um mês, a agência referia que este "outlook" incorporava "riscos de subida e de descida [de "rating"] genericamente equilibrados", acrescentando o peso da elevada dívida externa e pública do país.

Um menor compromisso com a consolidação orçamental - com metas "bastante desafiantes" para este ano - ou com a redução da dívida pode pressionar a cotação, alertava na altura. Além disso, mencionava a incerteza no sector bancário, com a recapitalização da CGD e a venda do Novo Banco à cabeça.

A penalizar uma futura avaliação podem ainda estar factores exógenos, como o aumento da incerteza política na Zona Euro.


A próxima data em que a agência prevê pronunciar-se sobre o país é 5 de Maio deste ano. Depois disso, tem agendada outra possível intervenção a 1 de Setembro. Já entre as outras agências que acompanham a dívida portuguesa, a Fitch pode falar em Fevereiro, a S&P um mês depois e a DBRS - que garante o acesso de Portugal ao programa de compra de dívida soberana do BCE -, pode pronunciar-se a 21 de Abril.


(Notícia actualizada às 22:05 com mais informação)



A sua opinião22
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado surpreso 13.01.2017

"Xuxas" sem vergonha.Não é "não mexe" .Não abordou a questão para 5 países.É diferente

comentários mais recentes
Anónimo 16.01.2017

Tem sido um encher os bolsos com dívida pública... onde é que temos taxas de juro acima de 2 %... Só nas dívidas públicas... sempre a encher o bolso... saudades dos idos 14% de yelds quando a bancarrota da banca Portuguesa pagava férias na neve e na Austrália... saudades...

pertinaz 16.01.2017

SÓ SE FOR PARA LIXO..... MAIS MALCHEIROSO ???

ESPERAVAM O QUÊ ???

Anselmo Gomes 14.01.2017

Uma desilusão para os seguidores do grande lider laranja.??

Anónimo 14.01.2017

Quem endivida o País até este dar o estouro essa escumalha de gente mete nojo e mereciam cadeia por andarem a arruinar o País.

ver mais comentários
pub