Crédito Moody's tem perspectivas "estáveis" para a Zona Euro mas alerta para riscos políticos

Moody's tem perspectivas "estáveis" para a Zona Euro mas alerta para riscos políticos

No relatório sobre as perspectivas para a Zona Euro em 2017, a agência de notação financeira destaca o surgimento de muitos partidos políticos, que dificultam a implementação de reformas económicas.
Moody's tem perspectivas "estáveis" para a Zona Euro mas alerta para riscos políticos
Bloomberg
Rita Faria 12 de janeiro de 2017 às 14:55

A agência Moody’s considera que as perspectivas para a  Zona Euro em 2017 são estáveis, reflectindo um crescimento moderado do PIB, uma postura orçamental mais neutra e um alívio modesto do fardo da dívida soberana, segundo um relatório da agência de notação financeira divulgado esta quinta-feira, 12 de Janeiro. A Moddy’s não deixa, contudo, de alertar para os riscos políticos.

 

"A nossa perspectiva em relação à capacidade credítica na Zona Euro em 2017 é estável, no geral", afirma Sarah Carlson, vice-presidente da Moody’s e co-autora do relatório. "A dinâmica do crescimento económico na Zona Euro em 2017-18 será globalmente neutra no que respeita à dívida".

 

No entanto, a responsável sublinha que "os crescentes riscos políticos em alguns países da região da moeda única "podem minar os esforços de reforma que estão em curso".

 

A agência de notação financeira antecipa que a Zona Euro vai crescer 1,3% em 2017 e 2018, num contexto de fraco crescimento do comércio externo. No relatório, a Moody’s sublinha que o crescente sentimento proteccionista em muitas economias avançadas, incluindo os Estados Unidos, deverá colocar ainda mais pressão sobre os volumes do comércio.  

 

Mas o ritmo de crescimento deverá divergir, de forma significativa, de país para país. Em economias mais pequenas, como a Irlanda, Luxemburgo, Malta e Eslováquia, o PIB deverá subir mais de 3% em cada um dos anos, enquanto países como Espanha, Grécia e Eslovénia deverão crescer a um ritmo mais lento, mas ainda assim, acima da média do euro.

 

As maiores economias da região da moeda única - Alemanha, França e Itália - continuarão a crescer bem abaixo de 2% ao ano, prevê a Moody’s.

 

No relatório, a agência de rating destaca o surgimento de muitos partidos políticos, de esquerda e direita, que desafiam o poder estabelecido. No entanto, a Moody’s acredita que poucos chegarão a formar governo, ainda que tenham potencial para influenciar o debate político, tornando mais difícil para os partidos centristas levarem a cabo reformas cada vez mais impopulares.

 

Nesse sentido, a Moody’s afirma que, embora não seja comum que mudanças no governo tenham implicações ao nível do perfil de crédito de um país, a natureza das mudanças políticas em curso significam que o impacto das próximas eleições – em países como França e Holanda – pode ser mais significativo desse ponto de vista.

 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 12.01.2017


PS - e seus apoiantes - ROUBA OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO

Como sempre, vem aí mais dinheiro e regalias para os ladrões FP/CGA… e mais impostos para os privados.

Quando é que o TC vê isto?


comentários mais recentes
Anónimo 12.01.2017


PS - e seus apoiantes - ROUBA OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO

Como sempre, vem aí mais dinheiro e regalias para os ladrões FP/CGA… e mais impostos para os privados.

Quando é que o TC vê isto?


pub