Mercados Morgan Stanley recomenda apostar no euro e acções norte-americanas

Morgan Stanley recomenda apostar no euro e acções norte-americanas

O banco de investimento norte-americano está optimista para o segundo trimestre, destacando que os investidores devem aproveitar o ciclo benigno do crescimento económico.
Morgan Stanley recomenda apostar no euro e acções norte-americanas
Bloomberg
Negócios com Bloomberg 05 de junho de 2017 às 11:54

O Morgan Stanley está a recomendar aos seus clientes que apostem nos mercados accionistas no segundo semestre, estimando retornos generosos, uma vez que o actual ciclo económico é o "mais benigno" desde a crise financeira de 2008.

 

"Um crescimento auto-sustentável e sincronizado, uma inflação contida e a retirada gradual dos estímulos" monetários deverá ter impacto positivo na confiança dos investidores e das empresas na parte final do segundo semestre deste ano, refere uma nota de research banco de investimento, citada pela Bloomberg.

 

O Morgan Stanley recomenda aos investidores que aproveitem "enquanto o sol brilha", pois para 2018 antecipa uma situação "mais dura" para os investidores.

 

Na análise por activos, o banco está privilegiar a aposta nas acções norte-americanas e japonesas, já que a valorização do euro deverá limitar os ganhos das acções da Zona Euro. As perspectivas do Morgan Stanley apontam para que o S&P500 atinja os 2.700 pontos no segundo semestre, o que aponta para uma subida do índice norte-americano em 10% face aos níveis actuais. Já o nipónico Topix, de acordo com a mesma fonte, poderá atingir os 1.730 pontos (valorização de 7,5%).

 

Quanto à moeda europeia, o Morgan Stanley estima que poderá chegar aos 1,18 dólares, o que traduz uma valorização de quase 5% face aos actuais 1,126 dólares. A melhoria do crescimento económico e a descida da incerteza política explicam a visão optimista dos analistas para a moeda europeia, estimando que esta também vai ter um comportamento positivo face ao iene.

  

As perspectivas para os mercados em 2018 já não são tão animadoras porque, salienta o Morgan Stanley, a Reserva Federal terá que reduzir o seu balanço e continuar a subir juros, enquanto o Banco Central Europeu também deverá começar a reduzir os estímulos. Além disso, o crescimento dos resultados das empresas deverá abrandar e o ritmo de crescimento da economia global também.  




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Skizy 05.06.2017

Subir o rating do BCP ainda tenho alguma esperança, agora subir o rating da nação, nenhuma!

Anónimo 05.06.2017

Trocando por miúdos... o que eles querem dizer: "comprem em 2017, para nós conseguirmos vender a bons preços..."

FALTAM 11 DIAS PARA O BCP DAR O SALTO 05.06.2017


FALTAM 11 dias para a FINTCH SUBIR OS RATINGS do MILENUM BCP E DA REPUBLICA PORTUGUESA .................. um .... pequeno .... salto .... na .... cotação .... que .... PASSARÁ .... para ... 1 ... EURO ..... MAS UM GRANDE SALTO NA BOLSA DE QUEM TEM AÇÔES DO BCP

pub