Bolsa Nanium vendida a americanos da Amkor

Nanium vendida a americanos da Amkor

O Novo Banco, BCP e AICEP celebraram contratos de venda das suas participações no capital social e créditos da Nanium.
Nanium vendida a americanos da Amkor
Bloomberg
Negócios 02 de fevereiro de 2017 às 20:10

O Novo Banco, o BCP e a AICEP celebraram com a norte-americana Amkor Technology contratos de compra e venda das suas participações no capital social e créditos da Nanium.

 

Em comunicado à CMVM, o Novo Banco informa que venderá a esta tecnológica norte-americana os 41,06% que detém na Nanium.

 

Além do Novo Banco, também as participações do Estado e do BCP vão ser alienadas à Amkor. "O Estado (18%, através da AICEP), Millennium BCP (41%) e Novo Banco (41%) vendem as suas participações à Amkor, que passa a ser o único accionista, mas a Nanium continua o seu caminho, tal como até agora, e deverá reforçar significativamente os investimentos em equipamento e tecnologia", disse ao Expresso Armando Tavares, presidente executivo da empresa.

 

Nas declarações ao Expresso, o gestor sublinha que a integração na Amkor dá à Nanium "capacidade financeira e de crescimento", tornando-se "uma sólida plataforma" de expansão futura.

 

A concretização da compra e venda da Nanium (única subsidiária da Qimonda que escapou à falência e que tem sede em Mindelo, Vila do Conde) encontra-se dependente de necessárias aprovações, acrescenta o documento enviado à CMVM.

 

"A conclusão da transacção nos termos ora acordados terá um impacto neutro a positivo no rácio de capital Common Equity Tier I do Novo Banco", diz ainda o comunicado.

 

A venda destes 41,06% que o Novo Banco detém na Nanium - empresa no sector de semicondutores, nomeadamente no fornecimento de soluções de packaging de waferlevel fan-out (WLFO) – constitui "mais um importante passo no processo de desinvestimento de activos não estratégicos do Novo Banco, prosseguindo este a sua estratégia de foco no negócio bancário doméstico", refere aquela entidade financeira.

 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Votos de boa sorte !! Há 3 semanas

Porque eu aposto que na próxima crise de excesso de capacidade de produção da Amkor a corda vai partir no sito mais frágil e a fabrica de Vila do Conde vai fechar !

impacto neutro a positivo ? Há 3 semanas

A Q-imunda foi sempre um sorvedouro de dinheiros públicos e na sua falência o Sócrates-44 impingiu este buraco ao BES, BCP e CGD. Estes esquemas chamam-se engenharia financeira, mas na pratica não passam de aldrabices do socialismo limão (privatize the gains and socialize the losses).

joao Há 3 semanas

boas noticias. Uma empresa que passou por muitas dificuldades deu a volta e a prova disso é que existem INVESTIDORES estrangeiros interessados na mesma.

pub