Bolsa Nanium vendida a americanos da Amkor

Nanium vendida a americanos da Amkor

O Novo Banco, BCP e AICEP celebraram contratos de venda das suas participações no capital social e créditos da Nanium.
Nanium vendida a americanos da Amkor
Bloomberg
Negócios 02 de fevereiro de 2017 às 20:10

O Novo Banco, o BCP e a AICEP celebraram com a norte-americana Amkor Technology contratos de compra e venda das suas participações no capital social e créditos da Nanium.

 

Em comunicado à CMVM, o Novo Banco informa que venderá a esta tecnológica norte-americana os 41,06% que detém na Nanium.

 

Além do Novo Banco, também as participações do Estado e do BCP vão ser alienadas à Amkor. "O Estado (18%, através da AICEP), Millennium BCP (41%) e Novo Banco (41%) vendem as suas participações à Amkor, que passa a ser o único accionista, mas a Nanium continua o seu caminho, tal como até agora, e deverá reforçar significativamente os investimentos em equipamento e tecnologia", disse ao Expresso Armando Tavares, presidente executivo da empresa.

 

Nas declarações ao Expresso, o gestor sublinha que a integração na Amkor dá à Nanium "capacidade financeira e de crescimento", tornando-se "uma sólida plataforma" de expansão futura.

 

A concretização da compra e venda da Nanium (única subsidiária da Qimonda que escapou à falência e que tem sede em Mindelo, Vila do Conde) encontra-se dependente de necessárias aprovações, acrescenta o documento enviado à CMVM.

 

"A conclusão da transacção nos termos ora acordados terá um impacto neutro a positivo no rácio de capital Common Equity Tier I do Novo Banco", diz ainda o comunicado.

 

A venda destes 41,06% que o Novo Banco detém na Nanium - empresa no sector de semicondutores, nomeadamente no fornecimento de soluções de packaging de waferlevel fan-out (WLFO) – constitui "mais um importante passo no processo de desinvestimento de activos não estratégicos do Novo Banco, prosseguindo este a sua estratégia de foco no negócio bancário doméstico", refere aquela entidade financeira.

 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Votos de boa sorte !! 05.02.2017

Porque eu aposto que na próxima crise de excesso de capacidade de produção da Amkor a corda vai partir no sito mais frágil e a fabrica de Vila do Conde vai fechar !

impacto neutro a positivo ? 05.02.2017

A Q-imunda foi sempre um sorvedouro de dinheiros públicos e na sua falência o Sócrates-44 impingiu este buraco ao BES, BCP e CGD. Estes esquemas chamam-se engenharia financeira, mas na pratica não passam de aldrabices do socialismo limão (privatize the gains and socialize the losses).

joao 03.02.2017

boas noticias. Uma empresa que passou por muitas dificuldades deu a volta e a prova disso é que existem INVESTIDORES estrangeiros interessados na mesma.

pub
pub
pub
pub