Bolsa Nasdaq supera a marca dos 7.000 pontos pela primeira vez

Nasdaq supera a marca dos 7.000 pontos pela primeira vez

O índice já valoriza mais de 30% em 2017, beneficiando do forte desempenho das tecnológicas, sobretudo as de maior capitalização.
Nasdaq supera a marca dos 7.000 pontos pela primeira vez
Reuters
Nuno Carregueiro Rita Faria 18 de dezembro de 2017 às 18:25

O sentimento positivo relacionado com o impacto da reforma fiscal nos Estados Unidos levou os índices de acções em Wall Street a atingirem novos recordes, com o Nasdaq a superar pela primeira vez a marca dos 7.000 pontos.

 

A cerca de três horas do fecho da sessão, o Nasdaq Composite avança 0,96% para 7.003,08 pontos. Os dois outros índices mais relevantes estão também em máximos históricos, com o Dow Jones a ganhar 0,72% para 24.828,55 pontos e o S&P500 a subir 0,67% para 2.693,63 pontos.

 

A meta dos 7.000 pontos surge apenas oito meses depois do Nasdaq ter quebrado o recorde dos 6.000 pontos, o que ilustra bem o ano positivo para o sector tecnológico dos Estados Unidos. Desde o início do ano, o índice já valoriza mais de 30%, apesar das maiores cotadas do sector tecnológico terem nas últimas semanas aliviado dos recordes fixados anteriormente.

 

A valorização de 30% este ano surge em cima dos ganhos conseguidos nos seis anos anteriores. O Nasdaq subiu 15,9% em 2012, 38,3% em 2013, 13,4% em 2014, e abaixo de 10% nos dois anos seguintes.

 

Para o desempenho deste ano muito contribuíram as denominadas FANG, bem como a Apple, que é a cotada mais valiosa do mundo e acumula uma subida de 52%. Em 2017, o Facebook valoriza 57%, a Amazon.com dispara 58,7%, o Netflix ganha 53,3% e a Alphabet (que controla o Google) ganha 39,3%.    

 

Reforma fiscal impulsiona

 

A animar as acções nesta sessão estão os progressos na reforma fiscal norte-americana, que poderá ser promulgada pelo presidente dos Estados Unidos ainda esta semana.

 

Este domingo, responsáveis do partido Republicano admitiram esperar que o Congresso aprove a nova lei fiscal esta semana, estando a votação no Senado prevista para terça-feira. O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, poderá assinar a legislação no final da semana.

 

Já na sexta-feira, Wall Street marcou recordes, depois de os senadores republicanos que estavam divididos em relação à reforma fiscal terem apoiado o plano, que prevê uma redução dos impostos sobre as empresas de 35% para 21%.

 

O S&P500 já valoriza mais de 20% em 2017, preparando-se para completar o seu melhor ano desde 2013, com os investidores a anteciparem que uma redução dos impostos vai impulsionar os lucros e o pagamento de dividendos. O Dow Jones sobe mais de 25% este ano

 

Impostos mais baixos poderão também desencadear a repatriação de dinheiro, que os analistas de mercado dizem que poderá ser usado para fusões e aquisições.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub