Bolsa Navigator e energia dão primeira sessão de ganhos ao PSI-20 em mais de uma semana

Navigator e energia dão primeira sessão de ganhos ao PSI-20 em mais de uma semana

O principal índice nacional viveu esta quinta-feira a primeira sessão de ganhos em seis, à boleia da papeleira Navigator e do sector energético. No resto da Europa, o dia é também de ganhos, com Madrid a liderar as subidas, depois das palavras do líder do BCE.
A carregar o vídeo ...
Ana Laranjeiro 26 de outubro de 2017 às 16:47

Pela primeira vez em seis dias, o principal índice da bolsa de Lisboa terminou a sessão com sinal mais. O PSI-20 subiu 0,62% para os 5.402,15 pontos, com 15 empresas em alta, duas em queda e uma inalterada. A Navigator subiu 2,50% para 4,394 euros, tendo já tocado em máximos de 2015, e foi um dos títulos que mais impulsionaram o índice nacional.

A empresa, antes da abertura do mercado, relevou as suas contas trimestrais. A Navigator terminou os primeiros nove meses do ano com um resultado líquido de 145,8 milhões de euros, um valor que representa um crescimento de 8,6%. No terceiro trimestre, o resultado líquido foi de 49,8 milhões de euros, mais 1,9% do que um ano antes. Numa nota de análise divulgada esta manhã, o Haitong refere que os lucros do trimestre "ficaram marginalmente acima das estimativas do banco" e também do consenso da Bloomberg que apontava para aproximadamente 44 milhões. 


A Altri também esteve em alta nesta sessão, subindo 1,87% para 5,514 euros. A Semapa cresceu 0,30% para 16,87 euros. Isto numa altura em que o euro desvaloriza 0,96% para 1,170 dólares.


O sector energético deu também um contributo positivo para a evolução do índice nacional. A EDP subiu 1,93% para 3,007 euros, a EDP Renováveis avançou 0,69% para 7,039 euros. A Galp ganhou 0,94% para 15,495 euros, acompanhando a subida dos preços do petróleo nos mercados internacionais. O Brent do Mar do Norte, referência para Portugal, avança 0,31% para 58,62 dólares por barril. A REN terminou a sessão a valorizar 1,13% para 2,695 euros.

A Pharol também esteve do lado dos ganhos, tendo subido 2,09% para 43,9 cêntimos. Assim como o BCP, que terminou o dia com uma valorização de 0,08% para 24,99 cêntimos, e como a Nos, que cresceu 0,65% para 5,149 euros.

A travar maiores ganhos da bolsa nacional estiveram as acções da Jerónimo Martins, que desvalorizaram 2,09% para 15,45 euros. A empresa liderada por Pedro Soares dos Santos revelou ontem ao mercado que o terceiro trimestre do ano fechou com um resultado líquido acumulado de 285 milhões de euros, o que corresponde a uma quebra de 43% quando comparado com o mesmo período do ano passado. Já esta manhã, o banco de investimento Haitong emitiu uma nota na qual corta avaliação da empresa.

Europa animada

Não foi só Lisboa que viveu uma sessão de ganhos. Entre as restantes praças do Velho Continente o dia foi igualmente positivo, com o espanhol IBEX 35 e o francês CAC40 a liderarem as valorizações. Este comportamento tem lugar depois de o Banco Central Europeu (BCE) ter concretizado as expectativas do mercado.

Mario Draghi, líder da instituição, revelou hoje que a autoridade monetária, tal como já tinha sido noticiado por agências internacionais, vai prolongar o programa de compra alargada de activos pelo menos até Setembro de 2018. Contudo, dos actuais 60 mil milhões de euros mensais, o BCE passa a comprar, no máximo, 30 mil milhões de euros por mês. As taxas de juro ficam nos actuais níveis pelo menos até final do próximo ano.

A situação da Catalunha pode também ter-se mantido no radar dos investidores. Pouco antes do fecho do mercado em Lisboa, o presidente do governo regional da Catalunha anunciou que, apesar de ter ponderado convocar eleições antecipadas, decidiu não o fazer por considerar que Madrid não deu as devidas garantias de que tal acto eleitoral decorreria com "normalidade".




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar