Bolsa Navigator em ex-dividendo pressiona PSI-20

Navigator em ex-dividendo pressiona PSI-20

A bolsa portuguesa negoceia em queda, em contraciclo com as pares europeias na abertura da sessão desta sexta-feira. As quedas da Galp e EDP levam o índice ao primeiro recuo em quatro sessões.
A carregar o vídeo ...
Paulo Zacarias Gomes 02 de junho de 2017 às 08:08
As negociações na bolsa portuguesa arrancaram esta sexta-feira, 2 de Junho, no lado das perdas, influenciada pelas quedas dos títulos da Galp e EDP e pressionada pelo recuo superior a 4% da Navigator, no dia em que as acções da papeleira deixam de dar direito ao dividendo.

O PSI-20 abriu a cair 0,29% para 5.298,17 pontos, a aliviar de três sessões consecutivas de ganhos que tinham levado o principal índice português a renovar máximos de Dezembro de 2015.

Com nove títulos do lado dos ganhos, cinco em terreno negativo e cinco inalterados, o maior recuo cabe à Navigator - desce 4,22% para 3,9 euros, no dia em que os títulos entram em ex-dividendo. A empresa industrial paga a remuneração de 0,2371 euros por acção a 6 de Junho. E reservas livres a 5 de Julho.

A Galp recua 0,11% para 13,77 euros a reflectir a desvalorização dos preços do barril de petróleo em Londres e Nova Iorque, em ambos os casos a cair mais de 1,5% depois de dados dos stocks nos EUA que saíram acima do esperado. Ontem ao final da tarde a petrolífera anunciou ter tido luz verde para o investimento no projecto de gás natural liquefeito Coral Sul, em Moçambique.

Em correcção continuam as unidades de participação do Montepio: depois de terem caído 0,66% na sessão de quinta-feira (seguindo-se a um disparo de 77% em dois dias), cedem agora 2,28% para 0,73 euros.

Sonae Capital, BCP e Pharol protagonizam das poucas valorizações, com o banco liderado por Nuno Amado a avançar 0,61% para 0,2326 euros, tal como Semapa e Corticeira Amorim, que já renovaram máximos no arranque do dia. A Semapa já esteve a ganhar 0,9% para 16,85 euros, enquanto a Corticeira ganhou 1,55% para 12,44 euros.

Nos mercados internacionais a sessão sucede a novos máximos históricos nas praças de Nova Iorque (para os índices S&P 500 e Dow Jones) e a recordes para as acções mundiais, tendo os títulos asiáticos negociado em máximos de dois anos e o índice japonês Nikkei superado os 20 mil pontos pela primeira vez desde Agosto de 2015.

A suportar os ganhos recentes, de acordo com os analistas, estão dados divulgados ontem sobre a melhoria do sector industrial e da criação de emprego nos EUA, e no sector manufactureiro na União Europeia. Os investidores aguardam por novos dados sobre emprego no mercado norte-americano esta sexta-feira.

(Notícia actualizada às 8:22 com mais informação)

A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas

A Navigator é boa empresa desde que isenções fiscais e fundos públicos de apoio discricionários deixem de ser a regra e passem a ser menos do que uma excepção. Quando isso acontecer a empresa terá de optar por uma gestão lean assente na boa gestão de recursos humanos e no investimento em capital com elevada incorporação de tecnologia automática que eleve a produtividade da empresa para outros patamares. Em França e Itália, países com vastas áreas com óptimas condições para a plantação de eucalipto, em vez de importarem a esperteza saloia da plantação de eucalipto australiano mantiveram as florestas de pinheiro, castanheiro, aveleira e nogueira, criando uma mancha verde florestal de espécies autóctones rica em frutos secos e madeiras nobres de elevado valor comercial que vários sectores da indústria transformadora de alto valor acrescentado aproveitam, que apresenta muito maior diversidade e é económica, paisagística e ambientalmente muito mais interessante e auto-sustentável.

comentários mais recentes
VEM AI O CANGURU MILENUM BCP Há 3 semanas



VOÇÊS FAÇAM COMO DIZ O NOSSO GRANDE AMIGO CRIADOR DE TOUROS COMPREM TUDO O QUE PUDEREM E VEJAM SÓ AS COTAÇÕES EM AGOSTO AI VÃO TER UMA BELA UMA SABOROSA RECOMPENSA POR TEREM AJUDADO PORTUGAL A SAIR DO LIXO

VEM AI O CANGURU MILENUM BCP Há 3 semanas


VOÇÊS FAÇAM COMO DIZ O NOSSO GRANDE AMIGO CRIADOR DE TOUROS COMPREM TUDO O QUE PUDEREM E VEJAM SÓ AS COTAÇÕES EM AGOSTO AI VÃO TER UMA BELA UMA SABOROSA RECOMPENSA POR TEREM AJUDADO PORTUGAL A SAIR DO LIXO

GLINTT Há 3 semanas

A nossa tecnológica GLINTT vai ser a próxima a disparar, as campeãs de prejuízos já subiram 60% e a GLINTT que dá lucro e já foi alvo de OPA nem mexe. Pode ser alvo de outra OPA da Farminvest para a tirar da Bolsa. Mas deviam agora pagar 1€ cada acção.

Anónimo Há 3 semanas

É uma empresa que tem sido levada ao colo pelo Estado desde que foi fundada. Está repleta de ineficiências e excedentarismo. A gestão é medíocre ou apática e os colaboradores capturaram a organização. Podia dar 3 vezes mais lucro com metade dos colaboradores actuais. Podia inovar e expandir-se na criação de valor em inúmeras outras áreas de negócio tornado-se ainda maior e transformando-se num verdadeiro potentado que puxasse pela economia portuguesa no seu todo. Não é nada disso. Faz lembrar o monstro de corrupção, obscuridade, promiscuidade estatal e desperdício em que se tornaram algumas das maiores empresas brasileiras. E todos sabem em que é que isso deu no Brasil...

ver mais comentários
pub