Bolsa Norges Bank teve mais de 2% da Galp por uma semana

Norges Bank teve mais de 2% da Galp por uma semana

O Norges Bank, que tem posições relevantes nos CTT e na EDP, vendeu 2 milhões de acções da Galp Energia, baixando da barreira de 2%. O preço a que cada acção foi transaccionado não é revelado.
Norges Bank teve mais de 2% da Galp por uma semana
Diogo Cavaleiro 18 de Outubro de 2016 às 18:35

O Norges Bank teve uma participação qualificada superior a 2% na Galp Energia durante uma semana. Esta semana, já voltou a reduzir a sua posição.


"A 18 de Outubro de 2016, a Norges Bank comunicou à Galp que, no dia 17 de Outubro, diminuiu a sua participação directa no capital social da Galp e direitos de voto correspondentes de 2,09% para 1,84%, que representam 15.258.511 direitos de voto", indica a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) em comunicado.

 

No dia 11, o banco central norueguês, que tem o maior fundo soberano do mundo, superou a barreira dos 2%, altura em que teve nas mãos 17.329.484 títulos da petrolífera portuguesa. 

 

Não se sabe a que preços é que os mais de 2 milhões de títulos representativos do capital da Galp que fazem a Galp baixar da barreira dos 2% foram alienados. No dia 11, as acções da empresa presidida por Carlos Gomes da Silva negociaram entre 12,38 e 12,62 euros. Já no dia 17, a transacção oscilou entre 12,50 e 12,615 euros por acção.


Segundo o site da Galp
, actualizado a 20 de Setembro, a BlackRock e a Templeton, dos EUA, e a Henderson e a Standard, do Reino Unido, têm em conjunto já 8,83% do capital da empresa nacional.

 

O principal accionista é a Amorim Energia, de Américo Amorim e Isabel dos Santos, com 33,34%. A empresa estatal Parpública tem 7%.

 

O empresário português, Américo Amorim, abandonou esta semana a presidência da administração da Galp, sendo substituído pela filha Paula Amorim.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub