Bolsa Nos, BCP e Galp tiram Lisboa de rota europeia de perdas, CTT com novos mínimos

Nos, BCP e Galp tiram Lisboa de rota europeia de perdas, CTT com novos mínimos

A praça portuguesa está quase isolada nos ganhos entre as pares do Velho Continente, sustentada nas apreciações dos papéis da Nos - depois de resultados apresentados ontem. Já a empresa postal renova mínimos.
Nos, BCP e Galp tiram Lisboa de rota europeia de perdas, CTT com novos mínimos
Pedro Catarino/CM
Paulo Zacarias Gomes 09 de novembro de 2017 às 12:12
As negociações na praça portuguesa avançam esta quinta-feira pela terceira sessão consecutiva, com as valorizações superiores a 6% da Nos a liderarem os ganhos no PSI-20, que assim fica praticamente isolado numa Europa no vermelho, pressionada pelas cotadas mineiras.

O principal índice bolsista nacional ganha 0,85% para 5.375,08 pontos, com sete títulos a valorizar, dois inalterados e nove do lado das perdas. 

Os papéis da Nos continuam - como desde o arranque da sessão - a conduzir os ganhos, depois de ontem a empresa ter apresentado lucros de 105,5 milhões de euros até ao final de Setembro, uma subida de 34,5% em termos homólogos que saiu acima do esperado pelo mercado. As acções da companhia disparam 6,91% para 5,34 euros.

A acompanhar as valorizações está a Galp, que soma 2,03% para 16,33 euros, depois de ontem ter levantado 500 milhões de euros em dívida a seis anos, pagando uma taxa-cupão de 1%, reduzindo assim o custo de financiamento e aumentando a maturidade da sua dívida.

Um comportamento que coincide também com a subida dos preços do petróleo em Londres, que se mantêm acima dos 60 dólares por barril, a ganhar mais de 0,2%, repetindo o ritmo de subida que se verifica em Nova Iorque.

Já o BCP ganha 1,42% para 24,99 cêntimos, seguido de perto pelos avanços da Sonae Capital (1,08% para 0,844 euros).

Com descidas superiores a 1% estão títulos como a Pharol (-1,86% para 0,421 euros), depois de ontem os grandes credores da Oi (de que a portuguesa é maior accionista) terem pedido à justiça brasileira para suspender o direito de voto dos administradores indicados pela empresa liderada por Palha da Silva e pelo fundo Société Mondiale em qualquer assunto que diga respeito ao plano de recuperação judicial da operadora.

A Navigator cai 1,09% para 4,271 euros e os CTT descem 1,17% para 3,374 euros, depois de já hoje ter firmado um novo mínimo histórico de 3,32 euros. A empresa postal apresentou na semana passada resultados trimestrais considerados decepcionantes pelos analistas e anunciou o corte de dividendo.

Além de Lisboa, só Atenas escapa às perdas no resto da Europa, onde as negociações são pressionadas por resultados piores do que o esperado pelo mercado da Siemens (recua mais de 3% e Frankfurt) e da Vestas Wind (afunda quase 20%) e nem as previsões positivas da Comissão Europeia para o crescimento da economia do Velho Continente, conhecidas esta manhã, contribuíram para inverter o sinal.