Bolsa Nos e CTT pressionam bolsa em dia de novo mínimo do BCP

Nos e CTT pressionam bolsa em dia de novo mínimo do BCP

A bolsa nacional recua, a acompanhar a tendência de queda do resto da Europa, numa altura em que a Nos e os CTT pressionam. Já o BCP continua a ajustar ao anúncio de aumento de capital.
Nos e CTT pressionam bolsa em dia de novo mínimo do BCP
Miguel Baltazar/Negócios
Sara Antunes 12 de Janeiro de 2017 às 11:56

O PSI-20 desce 0,45% para 4.569,07 pontos, com 12 cotadas em queda e seis em alta. Esta é a sexta sessão de quedas consecutivas, o que corresponde ao maior ciclo de quedas desde Abril. Entre os congéneres europeus a tendência é igualmente de quedas, com o sector farmacêutico a ser dos que mais se destaca nas quedas, penalizado pelas declarações de Donald Trump.

 

"Vamos poupar milhares de milhões de dólares durante um período e vamos fazer isso com uma série de indústrias", afirmou Donald Trump durante a conferência de imprensa que deu esta quarta-feira, 11 de Janeiro. "Temos de fazer com que a indústria farmacêutica regresse," defendeu perante os jornalistas. Segundo Trump - que toma posse dentro de nove dias como 45.º presidente dos EUA - as farmacêuticas estão ainda a "escapar impunes" à cobrança de preços elevados, acrescentou. O presidente eleito dos EUA não especificou a forma como vai reduzir os custos dos medicamentos, realçando apenas que a indústria farmacêutica tem muitos lobistas.

 

Esta perspectiva provocou perdas no sector ainda ontem em Wall Street e hoje está a reflectir-se também nos mercados europeus.

 

Na praça lisboeta, o grande destaque é o BCP, que voltou a tocar em novo mínimo histórico de 0,7903 euros, desce 5,28% para 0,8008 euros. As acções do banco liderado por Nuno Amado continuam pressionadas pelo aumento de capital de 1,33 mil milhões de euros anunciado na segunda-feira. 

Ainda na banca, o BPI recua 0,18% para 1,128 euros, enquanto continua a aguardar pelo registo da oferta pública de aquisição (OPA) do CaixaBank.

A pressionar está a Nos, ao perder 2,16% para 5,202 euros.

Destaque também a Jerónimo Martins, que está a descer 0,28% para 15,88 euros, no dia em que a retalhista vai divulgar (após o fecho do mercado) as vendas preliminares de 2016. No dia 22 deste mês serão conhecidos os resultados globais do ano passado. Os analistas prevêem que o último trimestre tenha sido "forte" para a empresa liderada por Pedro Soares dos Santos.

A rival Sonae SGPS também cede 0,83% para 0,838 euros.

As acções dos CTT cedem 1,67% para 6,195 euros, depois de ter sido noticiado que o banco prevê novo aumento de capital até Julho. Desde que abriu portas o banco angariou mais de 100 mil clientes e 250 milhões em depósitos. A realização de um aumento de capital e o lançamento de crédito à habitação fazem parte dos planos para 2017.

 

A contrariar a queda da praça lisboeta está a EDP Renováveis, ao subir 0,21% para 5,742 euros e a Galp Energia, que avança 0,67% para 14,245 euros.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

INAPA a mexer, atentos. Algum dia há-de superar os 0,13 centimos. A compra da Papyrus a longo prazo irá impulsionar os resultados e diminuir os custos da operação em França.
Boa compra para o longo prazo.

Anónimo Há 1 semana

E continua o fantástico desempenho da sonae... Não há dúvida que estão de parabéns ...!?

pub