Bolsa Nos sobe o máximo em 16 meses após "resultados sólidos"

Nos sobe o máximo em 16 meses após "resultados sólidos"

Num dia negativo nas bolsas, a Nos fechou o dia a subir quase 5% reagindo aos resultados "sólidos" e "positivos" que apresentou na véspera.
Nos sobe o máximo em 16 meses após "resultados sólidos"
Miguel Baltazar/Negócios

As acções da Nos destacaram-se pela positiva na sessão de hoje na bolsa portuguesa, fechando com uma valorização de 4,58% para 5,224 euros, o que representa a valorização mais acentuada desde Junho de 2016.

 

Durante a sessão os títulos chegaram a valorizar um máximo de 7,31% para 5,36 euros, beneficiando com os comentários positivos que os analistas efectuaram aos resultados que a companhia anunciou ontem após o fecho. As acções foram depois perdendo terreno ao longo da sessão, à medida que o PSI-20 acentuava as perdas (fechou o dia a cair 0,15%).

 

Esta manhã, em conferência com analistas, o CFO da Nos admitiu que a empresa poderá efectuar reembolsos antecipados de dívida com o objectivo de baixar os custos de financiamento. "Vamos avaliar a oportunidade", José Pereira da Costa, citado pela Bloomberg.

 

No terceiro trimestre o custo de financiamento da dívida da empresa liderada por Miguel Almeida estava em 1,9%, com uma maturidade média de 3 anos.

 

"Resultados positivos"

A Nos reportou lucros de 105,5 milhões de euros entre Janeiro e Setembro, mais 34,5% que há um ano. 

"Os números são sólidos e devem ser um factor de suporte das acções no curto prazo", antevia o Haitong numa nota de análise publicada ainda na quarta-feira. O analista Nuno Matias, que assina a nota, considera "injustificados" os receios que recentemente levaram as acções a cair.

 

Com a subida desta quinta-feira, a Nos acumula uma queda de 7,24% em 2017, o que compara desfavoravelmente com o desempenho do PSI-20 no mesmo período (+13,7%).

 

O Haitong adianta que "não houve surpresas" nos resultados, mas o "bom momento foi confirmado". Este banco de investimento tem uma recomendação de "comprar" e um preço-alvo de 7,10 euros para as acções da Nos.

 

Já o analista do BPI considera que os resultados ficaram em linha com as suas estimativas, ainda que as receitas e o EBITDA tenham superado ligeiramente as previsões. A avaliação do BPI à Nos é de 5,70 euros por acção, com uma recomendação de "underperform" (desempenho abaixo dos pares).

 

O CaixaBI diz que a Nos apresentou "resultados positivos". O analista Artur Amaro realça ainda o facto de a "geração de cash-flow continuar sólida, beneficiando do aumento do EBITDA e da diminuição do capex". Esta casa de investimento tem uma recomendação de "comprar" e um target de 6,50 euros para a Nos.

Nota: A notícia não dispensa a consulta da nota de "research" emitida pela casa de investimento, que poderá ser pedida junto da mesma. O Negócios alerta para a possibilidade de existirem conflitos de interesse nalguns bancos de investimento em relação à cotada analisada, como participações no seu capital. Para tomar decisões de investimento deverá consultar a nota de "research" na íntegra e informar-se junto do seu intermediário financeiro. 




pub