Bolsa Nova presidente assume posto mas CMVM fica incompleta

Nova presidente assume posto mas CMVM fica incompleta

Ainda não é desta que a administração da CMVM ficará completa. Esta quarta-feira só assumem três elementos, incluindo a nova líder Gabriela Dias. Ainda há um vogal para entrar em Dezembro. Mesmo assim, o conselho fica com um lugar vago.
Nova presidente assume posto mas CMVM fica incompleta
Miguel Baltazar/Negócios
Diogo Cavaleiro 30 de Novembro de 2016 às 08:30

O regulador dos mercados tem nova presidente mas ainda não é desta que a administração da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) fica completa. Só em Janeiro, na melhor das hipóteses, é que o órgão máximo volta a contar com cinco elementos. 

Esta quarta-feira, Gabriela Figueiredo Dias assume o leme da autoridade depois de mais de um ano em que o seu antecessor, Carlos Tavares, esteve a liderar sem que para isso tivesse mandato.

A apresentação pública é no Ministério das Finanças, pelas 10:00, e ao lado da nova presidente estarão a sua vice, Filomena Martins, vinda da Caixa Geral de Depósitos, e um novo administrador, Rui Correia Pinto, que estava no Banco de Portugal (aliás, a Cresap considera que isso pode reforçar as pontes entre os dois reguladores).

Filomena Martins vai para o lugar até aqui ocupado por Gabriela Dias enquanto Rui Correia Pinto substitui Maria dos Anjos Capote. A entrada em funções ocorre depois da consideração, pela Cresap, de que todos têm um perfil "adequado" e após as audições parlamentares a que estão obrigados os nomes propostos para reguladores.

Mas houve outro nome que foi também aprovado pela Cresap e que já teve a sua audição no Parlamento: João Gião. O antigo funcionário da CMVM, vindo directamente do Mecanismo Europeu de Estabilidade, vai para administrador do regulador mas apenas quando acabar o mandato de Carlos Alves, no mês de Dezembro. Não é, por isso, apresentado formalmente esta quarta-feira. 

Mesmo depois de João Gião chegar à CMVM, ficam quatro administradores num regulador que deve contar com cinco elementos. O Ministério das Finanças não respondeu às questões feitas pelo Negócios sobre o tema.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Jp Pina Há 1 semana

faltam boys and girls?!...

comentários mais recentes
Mr.Tuga Há 1 semana

Para a grande bosta que fazem, são demasiados!

Camponio da beira Há 1 semana

BdP e Cmvm se nãoo existissem nem se notava!

Jota Há 1 semana

Só espero é que o Carlos Tavares não vá para a CGD, seria a ruína desta como foi a ruína da CMVM! É que para além de incompetente não me parece sério!

Nuno Alves Há 1 semana

LOL

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub