Bolsa Novos vogais da CMVM consideram que relacionamento com Banco de Portugal é bom

Novos vogais da CMVM consideram que relacionamento com Banco de Portugal é bom

"Pode haver anormalidades que são isso mesmo, anormalidades. A correta articulação e o bom relacionamento entre autoridades de supervisão tem de ser um facto adquirido", disse João Gião, novo administrador do regulador dos mercados.
Novos vogais da CMVM consideram que relacionamento com Banco de Portugal é bom
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 20 de Outubro de 2016 às 23:33

Os dois novos administradores da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) consideraram hoje que existe em Portugal bom relacionamento entre autoridades de supervisão, nomeadamente entre CMVM e Banco de Portugal, e que eventuais tensões foram esporádicas.

 

"O bom relacionamento entre as autoridades de supervisão em Portugal é um facto. Esta é a minha observação à distância, admito que possa haver algum empolamento da comunicação social", afirmou João Miguel Reforço de Sousa Gião, hoje ouvido pelos deputados da Comissão de Orçamento da Assembleia da República.

 

João Gião vai integrar o novo Conselho de Administração da CMVM, que será liderado por Gabriela Figueiredo Dias (na foto), vindo do Mecanismo Europeu de Estabilidade, em que actualmente trabalha, depois de ter sido durante mais de 10 anos advogado na CMVM.

 

"Pode haver anormalidades que são isso mesmo, anormalidades. A correcta articulação e o bom relacionamento entre autoridades de supervisão tem de ser um facto adquirido",  acrescentou.

 

Também Rui Miguel Correia Pinto, que trabalhou no Banco de Portugal na área de supervisão prudencial, considerou que "a cooperação entre CMVM e Banco de Portugal é positiva", rejeitando más relações entre os dois reguladores.

 

A escassez de recursos humanos da CMVM foi falada nestas audições, com Rui Miguel Correia Pinto a pedir "a garantia de independência financeira e de organização" para o regulador poder gerir os seus recursos da melhor forma.

 

João Gião alertou também para as necessidades de recursos tecnológicos: "A CMVM tem estar na vanguarda da tecnologia e da supervisão", considerou.

 

Sobre o mercado financeiro em Portugal, ambos destacaram a situação actual pouco favorável, dando como exemplo os poucos títulos cotados no PSI20 e as poucas transacções.

 

Em termos pessoais, questionados por deputados sobre o parecer da Comissão de Recrutamento e Selecção para a Administração Pública (CRESAP) que sugeriu que fizessem formação em direcção executiva, para um melhor desempenho de vogais da CMVM, ambos os nomeados referiram que estão disponíveis para seguir a recomendação da CRESAP mas também que dependerá da "disponibilidade" que encontrarem no desempenho das funções.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Fatima Há 2 semanas

Carlos Tavres em guerra com Carlos Costa é normal? O futuro promete!

Mario Há 2 semanas

Uma garotada sem currículo. Só uma vale - passam pela vergonha de lhes recomendarem fazer um curso de gestão..

pub
pub
pub
pub