Bolsa Nuno Amado investiu 91,5 mil euros no aumento de capital do BCP

Nuno Amado investiu 91,5 mil euros no aumento de capital do BCP

O presidente executivo do BCP exerceu direitos sobre 949.005 acções e comprou mais 25.387 acções no aumento de capital do banco.
Nuno Amado investiu 91,5 mil euros no aumento de capital do BCP
Carla Pedro 10 de fevereiro de 2017 às 20:55

Nuno Amado exerceu direitos sobre 949.005 acções do BCP, no aumento de capital, tendo ainda comprado mais 25.387 acções.

 

Nesta operação, realizada a 2 de Fevereiro, o CEO do BCP investiu assim um total de 91.592,85 euros para ficar com um total de 974.392 títulos da instituição financeira, segundo a informação divulgada junto da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

 

Já Miguel Maya, vice-presidente da comissão executiva, subscreveu 338.820 acções do banco, num investimento que ascendeu a 31.849,08 euros.

 

Miguel Bragança, vice-presidente da comissão executiva/CFO, subscreveu 343.095 acções, por 32.250,93 euros.

 

O presidente do conselho de administração, António Monteiro, subscreveu juntamente com a sua esposa, Isabel Monteiro, um total de 6.540 acções por 614,76 euros.

 

Por seu lado, o CEO da EDP, António Mexia, exerceu direitos sobre 2.265 acções, num investimento que se fixou em 212,91 euros.

Estas comunicações enquadram-se na informação prestada pelos dirigentes sobre as suas posições na sequência do aumento de capital.

Depois de a 30 de Janeiro ter terminado o período de oito sessões bolsistas para a negociação dos direitos de subscrição do aumento de capital do BCP, no dia 2 de Fevereiro findou o período de subscrição das novas acções – que foram admitidas à negociação a 9 de Fevereiro.

 

O apuramento do resultado do exercício de direitos e do rateio ocorreu logo após o final do período da oferta, a 3 de Fevereiro – tendo o banco anunciado que concretizou o encaixe de 1,33 mil milhões de euros, com a procura na operação a superar a oferta em mais de 20%.

 

A Fosun reforçou o estatuto de maior accionista, passando a deter perto de 24% do capital do banco, enquanto a Sonangol manteve o estatuto de segundo maior accionista, com cerca de 15% do capital. 

 




A sua opinião116
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado pdpsousa Há 1 semana

Só ! Muito pouco para o seu estatuto ! Devia dar o exemplo e investir muito mais !

comentários mais recentes
Artista Há 1 semana

Boas palavras caro anónimo! Uma boa tarde também para si e bons negócios! Seja sempre bem vindo! Cumprimentos

Anónimo Há 1 semana

Compreendo e vou seguir a sugestão (nick) da próxima vez que intervir. Mas agora tenho que terminar. Muito boa tarde para todos e bons negócios.

Visionario Há 1 semana

Muita boa gente pensa q Os contribuintes pagaram a falencia do Bes! Mentira! Os acionistas do bcp pagaram 27% ao fundo de resoluçao acrescido de juros!

Criador de Touros Há 1 semana

Por uma questão de princípio, aconselho todos a confirmar a informação antes de a escreverem. Aqui não se pode inventar, não pode haver vipes. Se o discurso de alguém não é claro e está muito mal escrito, eu nem ligo. É uma forma de nos respeitarmos. Quem não tem a certeza das coisas, não diga. O máximo de rigor. Um famoso cardeal e grande filósofo, De Cusa, disse: sempre a contar, a pesar e a medir. Não é dos filósofos mais conhecidos, mas por sinal é dos que mais gosto.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub