Obrigações O que implica a saída de “lixo” para os mercados

O que implica a saída de “lixo” para os mercados

Regressar a um “rating” de grau de investimento permite que investidores mais conservadores possam comprar dívida pública portuguesa.
O que implica a saída de “lixo” para os mercados

A S&P tirou Portugal de "lixo" e eliminou um dos grandes constrangimentos que investidores mais conservadores e com um horizonte temporal mais alargado enfrentavam para investir em dívida portuguesa. Há gestores de activos que estão impedidos de alocar mais do que uma pequena porção da carteira de investimento a obrigações classificadas como "lixo" pelas principais agências de "rating".

E a decisão da S&P desta sexta-feira, poderá eliminar algumas dessas restrições, levando a um aumento do interesse por dívida portuguesa, o que se traduziria num desempenho positivo das obrigações nacionais. Esse interesse poderá também ser impulsionado com o regresso da dívida soberana portuguesa a índices de obrigações soberanas com qualidade de crédito, que são replicados pelos investidores.

Mercados não contavam com subida da S&P

O crescimento acima do esperado, a redução do défice, a saída do Procedimento dos Défices Excessivos e a expectativa de uma saída de "lixo" foram factores que permitiram a que as obrigações soberanas portuguesas tivessem dos melhores desempenhos da Europa esta ano. Isso reflecte-se na descida da taxa a dez anos de 3,76% para 2,8% desde o início do ano. Em Janeiro e Fevereiro, a dívida nacional tinha mesmo vivido período de stress, com a taxa a ultrapassar a fasquia de 4,2%.

A maior parte dos bancos de investimento antecipava que a saída de "lixo" ocorresse, na melhor das hipóteses, apenas em Dezembro, data da próxima decisão da Fitch. Ou no início do próximo ano. E dado o desempenho das obrigações nacionais não antecipavam quedas adicionais dos juros sem um regresso a grau de investimento. "O factor-chave seria uma subida para território de grau de investimento", referia Jens Peter Sørensen.

A decisão da S&P poderá também ter reflexo nas classificações de outros emitentes portugueses já que, geralmente, após mexidas no "rating" soberano as agências reavaliam as notações de emitentes desses países, traduzindo-se em custos de financiamento mais favoráveis para a economia. 




A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
DJ viajante Há 4 dias

Estes socio-comunas congratulam-se dois anos depois, dois anos de atraso e mais uma vez não se esqueceram de felicitar a coragem politica de PPC que o abutre aproveita em pleno. Forca PPC estavas mais que certo.

O BCP VAI DOBRAR até ao natal de 2017 Há 4 dias


BCP a ação com mais POTENCIAL na EUROPA

2ª FEIRA UPA UPA UPA MILENUM BCP

Organization Analyst Latest change Latest note Recommendation Price target

JBCapitalMarkets José Martins Soares 15 Sep. 17 15 Sep. 17 Buy €0.43

Anónimo Há 4 dias

Com uma dívida pública de 250 mil milhões de € e o rating melhorado, esperemos que o objectivo não seja, agora, chegar aos 300 mil milhões de dívidas. É que a dependência do vício é muito forte!

Antunes Há 5 dias

Isto sem contar com as receitas adicionais em taxas moderadoras - 1/3 da população tuga (os fachos de sempre), hoje, corre o risco de dar entrada nas urgências!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub