Petróleo OPEP decide em Novembro se prolonga ou põe fim a cortes à produção

OPEP decide em Novembro se prolonga ou põe fim a cortes à produção

O ministro kuwaitiano do petróleo aponta para a próxima reunião uma decisão sobre o fim do acordo ou um novo prolongamento do entendimento entre o cartel e países externos.
OPEP decide em Novembro se prolonga ou põe fim a cortes à produção
Bloomberg
Paulo Zacarias Gomes 22 de agosto de 2017 às 00:33
A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e os aliados externos (entre os quais a Rússia) vão decidir na próxima reunião ordinária do cartel o prolongamento ou o fim dos actuais cortes à produção de petróleo.

Segundo afirmou esta segunda-feira, 21 de Agosto, o ministro do petróleo do Kuwait, Issam Almarzooq, a decisão estará em cima da mesa no encontro de 30 de Novembro em Viena.

O acordo estabelecido em Novembro passado pelas 21 nações (OPEP e fora do cartel) para travar a produção mundial de petróleo e assim suportar a subida dos preços, passa por um objectivo comum de cortar a saída de 1,8 milhões de barris de petróleo por dia, a partir de Janeiro e em relação aos valores praticados em Outubro passado.

Em Maio passado, o acordo foi entretanto estendido por mais nove meses, terminando agora no final de Março do ano que vem.

O ministro, de acordo com a Bloomberg, acrescentou que o cartel está a trabalhar para levar os stocks globais de petróleo para um valor abaixo da média dos últimos cinco anos e que apesar de considerar que os cortes estão a funcionar, a produção de petróleo de xisto (sobretudo nos EUA) está a limitar a subida dos preços.

Apesar dos cortes de produção acordados entre países pertencentes e exteriores ao cartel, a produção conjunta dos 14 países-membros da OPEP aumentou em Julho pelo terceiro mês consecutivo.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub