Mercados Pagar crédito ao consumo vai custar mais 14% na CGD
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Pagar crédito ao consumo vai custar mais 14% na CGD

O banco liderado por Paulo Macedo passa a ter uma das comissões mais elevadas, sendo apenas superado pelo Novo Banco.
Pagar crédito ao consumo vai custar mais 14% na CGD
Miguel Baltazar/Negócios
Raquel Godinho 12 de janeiro de 2018 às 00:01

Ainda faltam alguns meses, mas a Caixa Geral de Depósitos (CGD) já anunciou que vai agravar a comissão de processamento de prestação no crédito ao consumo. Em causa está um aumento de 14% que leva o

)

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

2.Com Paulo Macedo na CGD os clientes vao pagar e pagar e pagar... Ainda mais que no Santander.
TROCAR DE BANCO LOGO QUE POSSIVEL !! A competencia dele é o nosso (colectivo) prejuizo. _Neves

Anónimo Há 1 semana

1.Com Paulo Macedo aos comandos da CGD, qq cliente só tem uma opçao: SAIR rápidamente
Trabalho na saude e já levei com as reformas dele, hoje vivo miserável (e pior ainda com o Adalberto!) como
português vivo com a reforma fiscal e o saque que este gestor conseguiu montar contra os portugueses

O menos mau para Portugal Há 1 semana

Se fosse apreciador de espetáculos diários de circo, preferiria o Santana Lopes,por quem tenho simpatia e a quem não deixo de reconhecer grandes qualidades de dinamismo e criatividade, e principalmente o grande mérito de nunca desistir e lutar sempre até ao último cartucho.
Mas como adepto de um sistema político baseado no que eu julgo ser o historicamente inultrapassado ideal em politica( um sistema baseado nas ideias de sentido ético, de civismo e de bom senso do cidadão comum, como em Atenas no século de Péricles), preferiria, se fosse do PSD e tivesse de votar, preferiria o homem do Norte.
Como Português, do mal o menos, ainda prefiro o Costa.

Anónimo Há 1 semana


Previous
Mário Centeno ao comando da reforma do euro
Mário Centeno ao comando da reforma do euro
Plataformas apoiam rivais para combater carro próprio
Plataformas apoiam rivais para combater carro próprio
Banco de Portugal livrou Totta de crédito de 53 milhões dado pelo BES ao Banif
Banco de Portugal livrou Totta de crédito de 53 milhões dado pelo BES ao Banif
Boicote da Pimco e da BlackRock a Portugal perde impacto
Boicote da Pimco e da BlackRock a Portugal perde impacto
Balcão do arrendamento demora entre três e quatro meses para fazer um despejo
Balcão do arrendamento demora entre três e quatro meses para fazer um despejo
David Neeleman reforça poderes na TAP
David Neeleman reforça poderes na TAP
ADSE vai avançar com as nova tabelas
ADSE vai avançar com as nova tabelas
Jovens perdem isenção de comissões na CGD
Jovens perdem isenção de comissões na CGD
Rui Rio esmaga Santana Lopes mas continua longe de Costa
Rui Rio esmaga Santana Lopes mas continua longe de Costa
Finança

ver mais comentários
Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub