Bolsa Patris entra na Alternext na quinta-feira

Patris entra na Alternext na quinta-feira

A bolsa portuguesa agendou a sessão especial de bolsa para 15 de Dezembro.  
Patris entra na Alternext na quinta-feira
DR
Negócios 12 de Dezembro de 2016 às 18:23

A Patris, boutique financeira que integrou vários activos do antigo BPN (como a seguradora Real Vida) vai dispersar capital da bolsa portuguesa, no segmento Alternext, o mercado não regulamentado da Euronext.

 

A confirmação surge num convite enviado pela Euronext para a sessão especial de bolsa que vai decorrer nas instalações da bolsa portuguesa na quinta-feira, 15 de Dezembro.

 

O evento contará com a presença de Maria João Carioca, ainda presidente da Bolsa portuguesa, e Gonçalo Pereira Coutinho, o presidente da Patris, que fará uma apresentação da companhia.

 

Tal como nas duas outras entradas de empresas portuguesas no Alternext, o Montepio é a instituição financeira responsável pela operação. Na sessão especial de bolsa estará presente Luis Filipe Costa, em representação do assessor financeiro.  

 

O Expresso tinha noticiado sábado que iria acontecer esta semana a terceira entrada de empresas portuguesas na Alternext. A percentagem de capital a dispersar em bolsa ainda não é conhecida.

Continuar a ler

 

Na operação, que será a primeira em Portugal no espaço de dois anos, os maiores accionistas da Patris – o presidente Gonçalo Pereira Coutinho e os administradores Eduardo Espinar Fernandez e João Freitas e Costa - vão manter o controlo da instituição financeira.

 

A Patris será a terceira empresa portuguesa a entrar no Alternext, depois da Intelligent Sensing Anywhere (ISA) em 2012 e da Nexponor (fundo da AEP) em 2013.

 

Criada em 2006, a Patris cresceu a comprar três empresas do BPN e que ficaram na órbita do Estado após a nacionalização. Fincor, BPN Gestão de Activos (actual Patris Gestão de Activos) e Real Vida, seguradora independente que representa a actividade mais significativa do grupo.

 

No ano passado a instituição não conseguiu concretizar a compra do Banco Efisa, que lhe permitia ter uma licença de banca universal, tendo avançado com uma transformação em sociedade financeira de corretagem.

 

A Patris chegou a ter prevista a operação de entrada em bolsa agendada para o primeiro semestre de 2011, mas adiou a operação devido à turbulência que se abateu sobre os mercados accionistas, e a crescente percepção de risco sobre Portugal.

  

 

 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
5640533 Há 5 dias

O que quer dizer "Maria João Carioca, a AINDA presidente da Bolsa portuguesa..."? Não será cedo para ir embora? Ou da nossa Bolsa fogem todos mesmo?

pub
pub
pub
pub