Investidor Privado Pergunta para um mihão de euros: Quando é que o crédito a empresas vai recuperar?

Pergunta para um mihão de euros: Quando é que o crédito a empresas vai recuperar?

Os bancos emprestaram 16.478 milhões de euros a empresas, entre Janeiro e Julho. Trata-se do pior arranque de ano de sempre. Ao mesmo tempo, há 14 meses consecutivos que o "stock" de crédito está em queda.
Pergunta para um mihão de euros: Quando é que o crédito a empresas vai recuperar?
Russell Boyce/Reuters
Raquel Godinho 03 de outubro de 2017 às 10:08
Rui Serra
Economista chefe da Caixa Económica Montepio Geral

Segundo o BCE, atingiu os 75.609 milhões de euros, em Agosto, o valor mais baixo desde que estes dados começaram a ser divulgados em 2003. Quando é que o crédito às empresas vai começar a recuperar?

"Tem sido visível uma desalavancagem das empresas quer em termos absolutos (ou seja, em euros), quer em termos relativos já que, em percentagem do PIB, estamos em mínimos desde 1999, o ano da criação do euro", começa por explicar Rui Serra. Como adianta o economista chefe da Caixa Económica Montepio Geral, "se compararmos com a Zona Euro, o endividamento das empresas portuguesas em percentagem do PIB ainda é superior à média, pelo que o processo de desalavancagem absoluto poderia continuar".

Ainda assim, o economista acredita que este "processo de convergência poderá continuar a fazer-se do ponto de vista relativo, basta para tal que o crédito cresça a um ritmo inferior ao do PIB nominal". É esse o cenário actual: estamos "num processo de inversão do 'stock' de crédito a empresas, quer resultante das melhorias ao nível da oferta de crédito (pese embora se assista a uma maior selectividade, para evitar erros do passado), quer da procura".

Do lado da procura, há factores que vão contribuir para o seu aumento como a recuperação da actividade económica, a redução da taxa de desemprego e a eliminação do excesso de capacidade instalada nas empresas. Quanto à oferta, "a redução do incumprimento bancário (acompanhando a recuperação da economia) também aumenta, em tese, a propensão dos bancos a conceder crédito às empresas, sendo que a subida do 'rating' da República e a redução do 'spread' da dívida portuguesa face à alemã também concorrem para uma melhoria das condições de financiamento dos bancos", conclui Rui Serra.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
A ter em conta Há 2 semanas

As imparidades são proporcionais ao crédito às empresa! Não?...tá quieto!

pub