Petróleo Petróleo desce 1,5% para mínimos desde o acordo da OPEP

Petróleo desce 1,5% para mínimos desde o acordo da OPEP

A matéria-prima está a ser penalizada pelos receios em torno da implementação do acordo da OPEP, numa altura em que países como a Líbia e a Nigéria estão a aumentar a sua produção.
Petróleo desce 1,5% para mínimos desde o acordo da OPEP
Bloomberg
Rita Faria 02 de Novembro de 2016 às 11:07
O petróleo está em terreno negativo esta quarta-feira, 2 de Novembro, pela quarta sessão consecutiva, para negociar no valor mais baixo desde 28 de Setembro, dia em que os membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) chegaram a um acordo para reduzir a produção.

O West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, cai 1,54% para 45,95 dólares, enquanto o Brent, transaccionado em Londres, recua 1,47% para 47,43 dólares.

Os receios em torno do excesso de oferta a nível global voltam a pressionar os preços da matéria-prima, depois das subidas registadas na sequência do acordo entre os maiores produtores mundiais, que levou o mercado a acreditar que este entendimento conduziria a uma estabilização dos preços.

No entanto, a implementação deste acordo enfrenta grandes desafios, nomeadamente por parte da Líbia e Nigéria, que estão a aumentar a sua oferta depois de a produção ter sido afectada por conflitos internos este ano.

Segundo a Bloomberg, a produção da Líbia aumentou para cerca de 466 mil barris por dia, em Outubro, o nível mais elevado desde Novembro de 2014. Este valor compara com a média de 233 mil, em Setembro, e apenas 185 mil em Maio.

Já a Nigéria aumentou a sua produção para 2,1 milhões de barris por dia, segundo avançou esta terça-feira Emmanuel Kachikwu, ministro do petróleo do país.

Devido aos conflitos internos, ambos os países esperam ficar isentos da redução acordada entre os membros da OPEP. No entanto, quanto mais a Líbia e a Nigéria produzirem, mais cortes terão de fazer outros membros do cartel.   

No próximo dia 30 de Novembro, a OPEP reúne-se em Viena para discutir propostas concretas sobre a redução da produção. 

Por outro lado, foram revelados dados da indústria petrolífera que apontam para um aumento dos stocks na semana passada. Esta quarta-feira serão conhecidos os dados da Administração de Informação de Energia dos Estados Unidos que, segundo as estimativas dos analistas consultados pela Bloomberg, também deverão indicar um aumento das reservas. 



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Lexus Há 5 dias

Absolutely first rate and comopr-bpttoeed, gentlemen!

pub