Petróleo Petróleo dispara mais de 4% e recupera de mínimos de Agosto

Petróleo dispara mais de 4% e recupera de mínimos de Agosto

A matéria-prima está a recuperar de três sessões de perdas, animada pelos esforços diplomáticos da Venezuela, Qatar e Argélia para finalizar o acordo de redução da oferta.
Petróleo dispara mais de 4% e recupera de mínimos de Agosto
Bloomberg
Rita Faria 15 de Novembro de 2016 às 15:59

Depois de três sessões consecutivas de quedas que atiraram o petróleo para mínimos de três meses, os preços da matéria-prima estão a subir mais de 4% nos mercados internacionais esta terça-feira, 15 de Novembro.

 

O West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, soma 4,27% para 45,17 dólares, depois de ter tocado ontem nos 42,20 dólares, o valor mais baixo desde Agosto. Já o Brent, transaccionado em Londres, valoriza 4,10% para 46,25 dólares.

 

A animar o "ouro negro" estão as notícias que dão conta de um último esforço diplomático de um conjunto de países para assegurar a implementação do acordo alcançado entre os membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) para cortar a produção e estabilizar os preços.

 

Segundo fonte próxima das negociações, citada pela Bloomberg, o Qatar, a Argélia e a Venezuela são os países que estão a liderar estes esforços para finalizar o acordo.

 

O cepticismo em torno da implementação deste plano de redução da oferta – acordado a 28 de Setembro – tem penalizado os preços do petróleo nas últimas semanas, devido às dificuldades em chegar a um entendimento sobre a forma como os cortes serão repartidos entre os vários membros do cartel.  

 

O acordo alcançado há quase dois meses previa que a OPEP reduzisse a produção em 796.000 barris por dia, ficando o tecto máximo entre 32,5 e 33 milhões de barris por dia.

 

Os membros do cartel reúnem-se em Viena no próximo dia 30 de Novembro, data apontada para a finalização do acordo. 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Amanhã se saberá que há sobreprodução mundial do petroleo e as reservas nos States aumentaram, logo esta especulação mercantil serve apenas para fazer subir a cotação hoje, mantendo a curto prazo a cotação acima dos 40 dólares.

Anónimo Há 2 semanas

Fanbulástico melga!Daqui a uns dias com o acordo falhado, já estará abaixo dos 40 dólares, e eu hoje já ganhei o meu à custa desta especulação da Trumpalhada. kakaka

pub