Bolsa Petróleo em mínimo de sete meses arrasta bolsas europeias

Petróleo em mínimo de sete meses arrasta bolsas europeias

As principais bolsas europeias inverteram da tendência de ganhos e seguem já em queda, pressionadas pelos sectores mais expostos ao petróleo. Portugal não é excepção. A Galp Energia cai mais de 2%.
Petróleo em mínimo de sete meses arrasta bolsas europeias
Sara Antunes 20 de junho de 2017 às 15:41

As bolsas europeias estiveram a maior parte da sessão em alta, mas a queda pronunciada dos preços do petróleo acabou por ditar a inversão da tendência, com as bolsas a cederem terreno. O Stoxx600, que agrega as 600 maiores cotadas europeias, está a recuar 0,38% para 390,47 pontos, numa altura em que o índice de produtoras de matérias-primas a deslizar quase 3% e o índice de petrolíferas a cair mais de 2%.

 

A justificar estas descidas acentuadas está a queda dos preços do petróleo. O barril do Brent, negociado em Londres e referência para Portugal, está a ceder 2,71% para 45,64 dólares. E o West Texas Intermediate (WTI) está a cair 2,85% para 42,94 dólares.

 

A pressionar os preços do petróleo, que negoceiam em mínimos de sete meses, está o aumento de produção por parte da Líbia, que anunciou um acordo com a Wintershall que vai permitir retomar a produção em pelo menos dois campos petrolíferos, o que vai colocar a produção no país em máximos de quatro anos.

 

Este anúncio eleva os receios em torno do excesso de matéria-prima no mercado, numa altura em que se mantém o corte de produção por parte dos membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), acordado no ano passado, com o intuito de travar a descida de preços.

 

Esse contexto está assim a ditar a queda das bolsas europeias. E Lisboa não é excepção. O PSI-20 recua 0,34% para 5.312,66 pontos, numa altura em que a Galp Energia desliza 2,45% para 13,325 euros. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
António Há 3 dias

Quem é que consegue compreender que a queda acentuada dos preços do petróleo seja tão sensível, ao ponto de provocar uma queda imediata das bolsas, e tenha apenas um reflexo quase insignificante (quanto muito 1 cent) nos preços dos combustíveis?

pub
pub
pub
pub