Petróleo Petróleo em novos mínimos de Novembro após subida da produção da Arábia Saudita

Petróleo em novos mínimos de Novembro após subida da produção da Arábia Saudita

A matéria-prima está a prolongar a tendência negativa das últimas seis sessões, depois de Arábia Saudita ter aumentado a sua produção em Fevereiro. O Brent já negoceia pouco acima dos 50 dólares.
Petróleo em novos mínimos de Novembro após subida da produção da Arábia Saudita
Reuters
Rita Faria 14 de março de 2017 às 15:29

O petróleo está a negociar em queda nos mercados internacionais esta terça-feira, 14 de Março, pela sétima sessão consecutiva, penalizado pela notícia de que a Arábia Saudita voltou a aumentar a sua produção.

Em Londres, o barril de Brent recua 1,89% para 50,38 dólares, enquanto em Nova Iorque o crude desce 2,29% para 47,29 dólares. Em ambos os casos, são os valores mais baixos desde 30 de Novembro, o dia em que os membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) fecharam o acordo para cortar a sua produção diária para um máximo de 32,5 milhões de barris por dia.

Significa isto que a matéria-prima está a anular praticamente todos os ganhos decorrentes do acordo entre os membros do cartel, que levou o petróleo a superar os 58 dólares em Londres e os 55 dólares em Nova Iorque.

Esta evolução acontece depois de a Arábia Saudita ter comunicado à OPEP que aumentou a sua produção para mais de 10 milhões de barris por dia, em Fevereiro, revertendo cerca de um terço dos cortes que fez no mês anterior.

O país, que reduziu mais a sua oferta do que era necessário, em Janeiro, comunicou ao cartel que aumentou a sua produção em 263 mil barris por dia, no mês passado.

Ao mesmo tempo, a Rússia, Iraque e Emirados Árabes Unidos ainda não cumpriram todos os cortes que prometeram.

 

"É um golpe gigante na sua credibilidade. Não é positivo para os preços, nem para a credibilidade da Arábia Saudita nem para a credibilidade do acordo entre produtores", afirma Bob Yawger, director da divisão de futuros da Mizuho Securities, citado pela Bloomberg.

A contribuir para a queda recente dos preços do ouro negro estão ainda os sinais de que a produção norte-americana continua a subir. De acordo com a Administração de Informação de Energia dos Estados Unidos, a produção de petróleo de xisto deverá atingir em Abril o nível mais elevado desde Março de 2016. Por outro lado, as reservas de crude terão subido em 3 milhões de barris na semana passada.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 14.03.2017

Espera sentado pela redução dos preços...

-3 CÊNTIMOS na próxima semana 14.03.2017

Se o gasóleo nos mercados internacionais continuar aos valores de hoje, vamos assistir a uma descida de pelo menos 3 cêntimos no litro do gasóleo, no início da próxima semana!

pub