Matérias-Primas Petróleo em máximos de um ano com disponibilidade russa para cortar produção

Petróleo em máximos de um ano com disponibilidade russa para cortar produção

O preço do barril de Brent do Mar do Norte, padrão para as compras portuguesas, já esteve a disparar mais de 3% na sessão desta segunda-feira, para o valor mais alto desde Outubro de 2015, depois de o Presidente Putin se ter mostrado disponível para congelar ou cortar a produção de petróleo.
Petróleo em máximos de um ano com disponibilidade russa para cortar produção
Bloomberg
Negócios 10 de Outubro de 2016 às 15:37

A possibilidade de a Rússia vir a travar ou até cortar os seus actuais níveis de produção de petróleo, acompanhando uma eventual decisão do cartel da OPEP no mesmo sentido, está a levar os preços do petróleo para altas superiores a 3%, enviando o valor do barril de Brent (que transacciona em Londres e serve de referência para as compras nacionais) para máximos de um ano.

O preço da unidade Brent avança 3,29% para 54,64 dólares por barril em Londres - um valor máximo de 9 de Outubro de 2015 - ao passo que em Nova Iorque o West Texas Intermediate ganha 3,41%, para 51,51 dólares, no valor mais alto desde Junho.

No Congresso Mundial de Energia, em Istambul, o presidente Putin disse esperar que a OPEP acorde limitar a produção já em Novembro, uma decisão que a Rússia apoiará. 

No mesmo evento, também o ministro saudita da Energia e Indústria, Khalid Al-Falih, se mostrou optimista em relação à possibilidade de a OPEP chegar a um entendimento com outros produtores, até porque muitos países já se mostraram disponíveis para trabalhar com o cartel. Segundo Khalid Al-Falih "não é impensável" que os preços do petróleo recuperem de forma a atingirem os 60 dólares por barril até ao final deste ano. 

Em 28 de Setembro, e contra a generalidade das expectativas, os membros da OPEP chegaram a acordo para limitar a produção, algo que não acontecia há oito anos. 


(Notícia actualizada às 15:59)




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado belem67 10.10.2016

Aí costa costa o petrolio ainda te vai ao ku

comentários mais recentes
Aarão Zarco 10.10.2016

Alguém já sabes os preços para o Opel Ampera-e

Ricardo João 10.10.2016

não compro gasóleo a mais de um euro

Anónimo 10.10.2016

O desespero do cartel não vai dar em nada. O petróleo não vai subir, façam o que fizerem, por uma razão simples. O petróleo extraído do xisto betuminoso a 50 USD é mais do que lucrativo, e os EUA têm das maiores reservas do mundo. Quando muito, o petróleo vai estabilizar por volta dos 40 USD.

Laura Pereira 10.10.2016

E quanto a baixar o imposto recente? Não era "apenas" para compensar a descida do preço dos combustíveis?

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub