Petróleo Petróleo sobe 1,5% para o valor mais alto desde Junho

Petróleo sobe 1,5% para o valor mais alto desde Junho

A possibilidade de países não pertencentes à OPEP chegarem a um entendimento para limitar a produção está a impulsionar os preços da matéria-prima para máximos de quase quatro meses.
Petróleo sobe 1,5% para o valor mais alto desde Junho
Bloomberg
Rita Faria 05 de Outubro de 2016 às 11:43

O petróleo está a valorizar nos mercados internacionais esta quarta-feira, 5 de Outubro, depois de os dados do Instituto do Petróleo Americano terem apontado para uma descida dos inventários e de o ministro do Petróleo da Venezuela ter avançado a possibilidade de um acordo entre a OPEP e outros grandes produtores, que levaria a um corte da produção de 1,2 milhões de barris por dia.

 

O West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, ganha 1,52% para 49,43 dólares, depois de já ter tocado nos 49,57 dólares por barril, o valor mais alto desde 30 de Junho.

 

Já o Brent, transaccionado em Londres, sobe 1,49% para 51,63 dólares. Esta manhã, a matéria-prima de referência para Portugal chegou a negociar nos 51,81 dólares, o valor mais elevado desde 10 de Junho.

 

Segundo o Instituto do Petróleo Americano, os inventários nos Estados Unidos desceram em 7,6 milhões de barris na semana passada.

 

Por outro lado, os preços estão a ser impulsionados pela possibilidade de grandes produtores não pertencentes à OPEP chegarem a um acordo com o cartel para reduzir a oferta de petróleo.

 

Num comunicado, o ministro venezuelano do Petróleo, Eulogio Del Pino, diz que esse entendimento entre a OPEP e outros produtores de petróleo fora do cartel poderia resultar num corte da produção diária de 1,2 milhões de barris.

 

Em conjunto, os membros da OPEP reduziriam a oferta em 700 mil barris por dia - no âmbito do acordo alcançado na semana passada em Argel – enquanto outros produtores cortariam a oferta em 500 mil.

 

Segundo Del Pino, o grupo de países fora da OPEP que está a discutir limites à produção com a Venezuela inclui a Rússia e o Azerbaijão. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 05.10.2016

E assim entrou Portugal em recessao no ultimo trimestre de 2016. COitado do défice...

pub
pub
pub
pub