Bolsa Pharol afunda 20% em seis dias com incerteza em torno da Oi

Pharol afunda 20% em seis dias com incerteza em torno da Oi

Têm sido muitas as notícias sobre a disputa de credores da Oi e sobre potenciais investimentos na operadora brasileira que está sob protecção contra credores. A incerteza tem arrastado as acções da Pharol, que detém cerca de 22% da brasileira.
Pharol afunda 20% em seis dias com incerteza em torno da Oi
Reuters
Sara Antunes 15 de Novembro de 2016 às 09:39

As acções da Pharol estão a descer 5,74% para 0,197 euros, elevando para 20% a queda nos últimos seis dias - é o ciclo de quedas mais pronunciado desde o início do ano. A queda recente das acções colocou já a Pharol com uma perda de 9,75% desde o início do ano.

 

Este comportamento da Pharol surge numa altura em que a Oi também tem registado fortes quedas, devido à elevada incerteza sobre o desenrolar da situação financeira da operadora de telecomunicações brasileira que se encontra sob protecção contra credores.

 

Na segunda-feira, 14 de Novembro, a Globo noticiou que o fundo americano Elliott Management, do milionário Paul Singer, está a ponderar injectar 10 mil milhões de reais (2,7 mil milhões de euros) e ficar com 60% da empresa. Esta será a proposta elaborada pelo fundo em conjunto com a Boston Consulting e com a francesa Lazard.

 

O fundo "abutre", que apostou na queda do BES e da PT, estará assim a trabalhar numa proposta que deixará nas mãos dos actuais accionistas 20% da Oi (uma posição inferior à detida actualmente só pela Pharol) e os restantes 20% ficarão com credores internacionais, de acordo com a Globo que cita uma fonte próxima do processo, que não quis ser identificada.

 

Também ontem, mas ao final do dia, a Folha de São Paulo noticiou que o Governo brasileiro está à procura de alternativas para a Oi, tentando atrair novos investidores. O Executivo terá mesmo contratado consultores para ajudarem na operação.

 

Já esta terça-feira, 15 de Novembro, a Bloomberg noticiou que o grupo de detentores de obrigações da Oi desintegrou-se, o que deverá aumentar as dificuldades em conseguirem recuperar parte do investimento feito em dívida da brasileira. 




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Continuamos todos na expectativa de ver os vigaristas que conduziram a todo o processo de desmantelamento da PT, tanto poder económico como poder político, a serem julgados pelo crime de prevaricação à boa gestão empresarial, lesando imensas pessoas que acreditaram numa gestão empresarial eficiente.

ahah Há 2 semanas

O desastre da PT tem vários nomes principalmente Bes, Ongoing, Zeinal e Cª que foram executores dos interesses destes acionistas. Os politicos apadrinharam por interesse ou incompetência o negocio e neste aspeto foi o Socrates mas tambem o Passos que acabou com a golden share permitindo o negocio

Anónimo Há 2 semanas

Palha da Silva e Rafael Mora da Ongoing vao proteger a Pharol dos brasileiros. De pedra e cal. Estamos com gente que manda e manda fazer.

J. SILVA Há 2 semanas

Sem pôr em causa a influência política no negócio PT/OI na fase inicial, a responsabilidade efetiva é da ex-Administração PT, foram eles que assinaram, eram os gestores e o Governo não podia obrigá-los. Deixemo-nos de responsáveis morais e de padrinhos, que é um expediente para lavar corruptos.

ver mais comentários
pub