Bolsa Pharol e BCP empurram Lisboa para fora de rota europeia de ganhos

Pharol e BCP empurram Lisboa para fora de rota europeia de ganhos

Lisboa travou série de duas sessões positivas e não acompanhou ganhos europeus. A tomada de mais-valias, depois de a acção da Pharol ter praticamente duplicado de valor nas últimas semanas, penalizou os títulos da accionista da Oi.
A carregar o vídeo ...
Paulo Zacarias Gomes 13 de fevereiro de 2017 às 16:46

O índice accionista nacional não seguiu a tendência positiva dos seus pares europeus - animados pela revisão em alta das previsões de Bruxelas para a economia europeia e por novos recordes em Wall Street à espera do plano fiscal de Trump – e encerrou a sessão desta segunda-feira, 13 de Fevereiro, em queda.

O PSI-20 terminou o dia a ceder 0,17% para 4.596,73 pontos, com 11 títulos em alta e seis em queda, sendo o sinal negativo ditado pelos recuos do BCP, da Pharol e da Jerónimo Martins.

As maiores quedas couberam à empresa liderada por Luís Palha da Silva. Os papéis da Pharol interromperam uma série de 12 sessões consecutivas sem perdas e caíram 11,93% para 0,384 euros, depois de terem chegado a perder 20% durante a manhã.

Após subidas suportadas na expectativa de um desfecho positivo da recuperação judicial da Oi no Brasil (de que a Pharol é o accionista de referência) e de notícias de que o fundo Cerberus estaria a preparar uma proposta de recuperação alternativa, o baixo preço da acção tornou-a num alvo fácil para "especuladores que procuram um trading intra-diário," considera Henrique Romão Dias, gestor da corretora XTB, em nota a que o Negócios teve acesso. Isto numa altura em que as acções ordinárias e preferenciais da Oi somam mais de 1% em São Paulo.

A pesar esteve também a queda do BCP, na terceira sessão de transacção para os novos títulos resultantes do aumento de capital de 1.332 milhões de euros e depois de, no fim-de-semana, em entrevista ao Expresso, o presidente do banco, Nuno Amado, ter excluído a possibilidade de novo reforço de capital da instituição. Os papéis do BCP terminaram o dia nos 14,51 cêntimos, a cair 1,43%, a 0,24 cêntimos do mínimo histórico.

A Jerónimo Martins recuou 0,43% para 16,16 euros, enquanto a Navigator cedeu 0,89% para 3,469 euros. A travar maiores perdas do PSI-20 estiveram EDP e EDP Renováveis, tal como o sector das comunicações, com os CTT a avançarem 1,02% para 4,95 euros e a Nos na linha de água, a perder 0,04%.

Fora do índice, o BPI fechou a subir 3,04% para 0,948 euros, horas depois de a S&P ter subido o rating da instituição mas sem saída do nível "lixo" e na segunda sessão de exclusão do PSI-20 devido ao reduzido free-float. Já a Impresa valorizou 0,59% depois de a SIC ter chegado a acordo com PT para redução de preços na TDT.

No resto da Europa, o sector mineiro e o sector automóvel impulsionam as acções para máximos de Dezembro de 2015 - o Stoxx 600 ganha 0,83% para 370,44 pontos -, valorizações que se acentuaram depois de a Comissão Europeia ter anunciado, a meio da manhã, a revisão em alta das previsões de crescimento para a Zona Euro.

Em Nova Iorque, os três principais índices renovaram máximos históricos na abertura da sessão e ganham cerca de 0,5%, a reflectir a intenção manifestada pelo presidente Donald Trump de apresentar um plano de reforma fiscal "fenomenal" dentro de duas a três semanas.




A sua opinião29
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Silva 13.02.2017

AB todos tem direito a uma opinião sim
mas um senhor que enche aqui as paginas do Jornal de Negocios com varios nikes, para comprarem Navigoter é demais,que vem logo desde manhã a noite
esse senhor está maluco de todo
como aqui no Jornal de Negocios, houvesse alguma influença dum titulo subir na bolsa
veja AB os varios comentarios, e os varios nikes durente todo o dia, usa letra pequena e grande
e não é só de hoje, ja andam nisto a muito muito tempo

comentários mais recentes
lsboa 14.02.2017

boas
tenho muita fé na pharol que cresca muito mais
a OI também está a crescer mais de 45%
a Pharol ira apresentar resultados em abril, que se apresentar resultados negativos,serão muito ligeiros, em relacão a anos anteriores,desde que a Altice comprou a PT
com os fundos a quererem entrar na OI, a Pharol tem tudo para subir no curto e medio prazo.
que se houver subidas vertinossas, e normal que um dia ou outro aja correção forte também.
mas o titulo e para subi este ano, em que penso cada titulo deve chegar aos 70 centimos que e a minha previsão.

Visionario 13.02.2017

Penso q com a fosun tudo ira mudar mesmo q se mantenha a mesma administration. Contudo, Nao se recuperam bancos sem crescimento economico!! E pt esta a crescer a olhos vistos! Eu acredito q tudo vai mudar!!

Nova Lisboa 13.02.2017

O BCP ao longo desta administração já fez 5 aumentos de capital contando com os 2 aumentos exclusivos primeiro para obrigacionistas e no final de 2016 para a Fosun. É muita destruição de capital. Para além de que Amado nunca conseguiu falar com o mercado e quando o fez mentiu e enganou milhares.

Nova Lisboa 13.02.2017

O BCP devia agora mudar de administração. É a altura certa para ganhar novo fôlego, com uma nova equipa com visão e estratégia. O banco ganharia um ou dois anos na malfadada recuperação que já dura há tempo demais.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub