Bolsa Pharol e Jerónimo Martins pressionam bolsa nacional. Altri ajuda a travar quedas

Pharol e Jerónimo Martins pressionam bolsa nacional. Altri ajuda a travar quedas

A bolsa nacional fechou em baixa, a acompanhar a tendência das restantes praças europeias, penalizada sobretudo pela Pharol e Jerónimo Martins. Do lado contrário esteve a Altri, que ajudou a travar a descida do PSI-20.
A carregar o vídeo ...
Carla Pedro 04 de outubro de 2017 às 16:45

O PSI-20 encerrou a sessão desta quarta-feira a cair 0,99% para 4.5.385,92 pontos, com 13 cotadas em baixa e cinco em alta.

 

O índice de referência nacional acompanhou assim o movimento baixista que se verifica na generalidade do Velho Continente, numa altura em que a incerteza em torno da independência da Catalunha apela à prudência dos investidores, sendo os mercados espanhóis os mais penalizados. Com efeito, o índice madrileno Ibex 35 viveu a pior sessão em mais de um ano, com as perdas a serem lideradas pelo sector financeiro.

Já o europeu de referência Stoxx600 recuou 0,15%, depois de nove sessões consecutivas de ganhos, para se estabelecer nos 390,13 pontos.

 

O único índice em alta entre as principais bolsas da Europa Ocidental foi o alemão Dax, que a meio da sessão chegou mesmo a máximos históricos, ao tocar nos 12.976,24 pontos, animado pelos robustos dados macroeconómicos do país.

 

Por cá, a Pharol foi a cotada que mais penalizou o índice de referência nacional, ao fechar a ceder 3,95% para 0,389 euros. Ainda nas telecomunicações, a Nos acompanhou a tendência de descida, com a operadora liderada por Miguel Almeida a perder 1,83% para 5,30 euros.

 

Também a Jerónimo Martins contribuiu para o mau desempenho da praça lisboeta. A retalhista dona do Pingo Doce encerrou a recuar 2,30% para 16,555 euros. Ontem, recorde-se, o CaixaBI reviu em alta de 4,4% o preço-alvo da cotada, de 16,00 euros para 16,70 euros, a reflectir sobretudo a alteração do horizonte temporal da análise para o final de 2018.

 

"As melhorias macroeconómicas na Polónia e em Portugal continuam a beneficiar as operações da Jerónimo Martins, sobretudo no que diz respeito à evolução das vendas", referiu o analista André Rodrigues, que reviu em alta as suas previsões para as receitas da Jerónimo Martins. A recomendação continua a ser de "neutral", já que o novo preço-alvo persiste acima da cotação da retalhista.

 

A Mota-Engil foi outra das cotadas que penalizou a bolsa nacional, ao registar uma depreciação de 2,95% para se fixar nos 3,193 euros. Tendência igualmente negativa marcou o BCP, que cedeu 2% para 0,2401 euros.

 

Em tendência contrária, destaque para a Altri, que foi a cotada que mais subiu na sessão de hoje e ajudou a travar as quedas do PSI-20. As acções da produtora de pasta fecharam a escalar 4,84% para 4,98 euros, tendo chegado ao valor mais elevado desde Dezembro de 2015 nos 5,35 euros.

 

A Altri superou assim os cinco euros pela primeira vez em quase dois anos, depois de o CaixaBI ter melhorado o preço-alvo da acção de 4,70 para 5,30 euros, reduzindo no entanto a recomendação de "comprar" para "acumular". A justificar a melhoria do "target" pelo banco de investimento esteve a "actualização em alta dos pressupostos de preços da pasta", cujos preços "continuam fortes" face à "procura robusta" da China e de restrições na oferta, bem como a travagem da apreciação do dólar face ao euro.

No restante sector do papel, a Semapa resvalou 2,35% para 16,025 euros, ao passo que a Navigator seguiu as pisadas da Altri e fechou em alta, a somar 0,59% para 4,246 euros.




A sua opinião27
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Bom desempenho para o BCP Há 2 semanas

Com Espanha a afundar-se, em particular os Bancos, cair 2% até que foi positivo. Mas a instabilidade aqui ao lado vai contagiar a bolsa portuguesa, mesmo que não tenhamos nada a ver com isso. Será, como sempre, efeito de curto prazo. No longo prazo só os resultados do BCP interessam.

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Começou a sonae no habitual afundanço , provocado pelos seus próprios gestores, durante a segunda parte da sessão !!! Não são de fiar, não...a mim , não me comem outra vez !

Anónimo Há 2 semanas

A Oi BR 4 fechou a subir 1,72% e Oibr3 fechou a subir 2,5%.
Amanhã, com a recuperação das bolsas, teremos de novo a Pharol a disparar!... penso eu de que....

BOLSA pior já passou Há 2 semanas

O traidor do Presidente da Catalunha, está mais manso , agora anda aflito, quer negociar. com o governo Espanhol, mas não tem sorte, nem negociações nem independência,

BCP a 0.275 é já na sexta - feira Há 2 semanas



para a semana com mais uma subida de RATINGS do MILENIUM BCP e de PORTUGAL o BCP irá passar a ponte dos 0.30 a PONTE para a ETERNIDADE que só parará nos 0.50 no fim do ano com + umas subidas de RATINGS a 20 de DEZEMBRO

ver mais comentários
pub