Obrigações PIIGS do passado estão a escapar à rota do risco

PIIGS do passado estão a escapar à rota do risco

O sentimento da percepção de risco está a aumentar de uma forma geral. Mas há excepções. Lembra-se dos PIIGS, onde Portugal está incluído? Estes estão a conseguir escapar de forma “notável” a este comportamento.
PIIGS do passado estão a escapar à rota do risco
Bloomberg
Bloomberg 16 de novembro de 2017 às 15:29

O risco associado às dívidas soberanas da Zona Euro reduziu a sua associação ao risco de crédito. "A forte correlação entre os ‘spreads’ dos periféricos e o crédito não foi observada pelo menos na última semana", sublinhou Luke Hickmore, gestor sénior na Aberdeen Standard.

 

Os chamados "PIIGS" – Portugal, Itália, Irlanda, Grécia e Espanha – estiveram no centro do furacão da crise de dívida que assolou a Zona Euro em 2010, tendo desde então recuperado, regressado ao crescimento económico e saído da situação mais frágil. A contribuir para a estabilização esteve também o programa de compra de dívida do Banco Central Europeu (BCE). Especialmente depois de o presidente da autoridade, Mario Draghi, ter deixado bem claro que o BCE "faria o que fosse preciso" para convencer os investidores a deixarem de apostar contra o euro, ao elevarem as taxas de juro dos países periféricos.

 

É "notável a forma como os mercados de dívida dos periféricos estão a evoluir num ambiente de redução de risco, ignorando amplamente a deterioração do sentimento de risco no resto do mundo", salientou a Société Générale numa nota citada pela Bloomberg. "Os cofres cheios dos governos secaram o mercado de obrigações e os ‘spreads’ dos periféricos descolaram do sentimento geral", adiantou o mesmo responsável.

 

"A crise soberana de 2010-2011 ficou bem para trás, e os PIIGS certamente já não são um cabaz para negociar", sublinhou Luke Hickmore. "Apesar disso, os periféricos continuam a ser um activo de risco", concluiu.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Contrarian Há 3 semanas

Caro anónimo.O capitalismo foi o que trouxe evolução e possibilitou à Humanidade chegar onde chegou.Não é casino é imperfeito como todas as coisas criadas pelos homens e está associado a uma coisa chamada liberdade. È como a democracia o pior dos sistemas se excluirmos todos os outros.

Mr.Tuga Há 3 semanas

No caso da atrasada e pobretanas tugaLândia é apenas "provisório"....

Com o novo OASIS que incentiva o DESPESISMO e CONSUMISMO, isto vai correr MUITO MAL....

Anónimo Há 3 semanas

Os neoliberais da economia de casino criaram o monstro mas depois tiveram de ser os contribuintes a pagar a fatura. O programa de compra de dívida conhecido como quantitative easing acabou por significar o fim deste casino especulativo. Mas os criadores do monstro continuam a causar danos avultados