Mercados Polícia da bolsa americana rejeita fundos indexados à bitcoin

Polícia da bolsa americana rejeita fundos indexados à bitcoin

A autoridade reguladora do mercado de capitais nos EUA rejeitou a constituição de um fundo indexado ao desempenho da moeda virtual bitcoin.
Polícia da bolsa americana rejeita fundos indexados à bitcoin
Reuters
Carla Pedro 10 de março de 2017 às 22:13

A Securities and Exchange Commission [SEC, autoridade de regulação do mercado de capitais que em Portugal se encontra na figura da CMVM] proibiu a constituição de um ETF [Exchange Traded Fund, um tipo de fundo que replica o desempenho do activo subjacente] indexado à criptomoeda bitcoin.

 

A bitcoin, recorde-se, é uma moeda digital completamente independente de qualquer banco ou governo central.

 

A constituição deste fundo indexado à bitcoin tinha sido pedida pelos irmãos gémeos Winklevoss – os mesmos que perderam em tribunal, contra Mark Zuckerberg, quando o processaram por ter criado o Facebook, já que consideravam que a ideia de raiz desta rede social lhes pertencia.

 

A imprensa internacional, especialmente a norte-americana, está a dar um forte destaque a esta decisão da SEC, que constitui um revés não apenas para os Winklevoss mas também para a própria moeda digital.

 

Após a notícia da rejeição deste ETF, a bitcoin afundou e segue a perder 14%, a negociar em 1.019 dólares por cada moeda virtual. O seu máximo histórico foi atingido no passado dia 3 de Março, na casa dos 1.290 dólares.

 

A SEC justificou a sua decisão pelo facto de os mercados "de dimensão significativa" de negociação de bitcoins não estarem regulados, o que impede a autoridade reguladora de realizar uma supervisão adequada.

 

As bolsas que negoceiam criptomoedas estão cada vez mais sob as atenções dos reguladores, sobretudo depois das perdas do equivalente a cerca de 355 milhões de euros na plataforma de negociação de moeda virtual MtGox – que levou à detenção, em Agosto de 2015, do seu director-geral, Mark Karpeles.

 

Em Outubro de 2014, o Banco de Portugal emitiu um comunicado a alertar para os "perigos" das moedas virtuais – isto por ocasião do lançamento, em Lisboa, de uma caixa ATM de conversão de euros em bitcoins.

 

E acrescentava: "As moedas virtuais não são seguras. As entidades que emitem e comercializam ‘moedas virtuais’ não são reguladas nem supervisionadas por qualquer autoridade do sistema financeiro, nacional ou europeia".

 

Os utilizadores suportam todo o risco, porque não existe garantia de que estas "moedas" sejam aceites na compra de bens ou serviços. Em caso de desvalorização parcial ou total das "moedas virtuais", não existe um fundo que cubra eventuais perdas dos utilizadores, advertia então a instituição liderada por Carlos Costa.

 

Entre outras moedas virtuais populares estão a Ethereum e a Zcash, tendo esta última sido lançada a 28 de Outubro de 2016.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Antunes Há 2 semanas

Sou obrigado a dar razão por uma vez ao Banco de Portugal: de facto com esta moeda não há a garantia que os bancos correntes têm de que haverá salvação patrocinada pelo estado e pelos contribuintes caso as coisas corram mal, como sempre acontece.

Conselheiro de Trump Há 2 semanas

Nao e de admirar,a moeda nao representa pais nenhum.Secalhar era uma moeda boa para nos quando descermos de divisao.So tinhamos de mudar o nome,em vez de biticoin passava a chamar-se "EUROESCUDO,ou ESCODEURO"

pub
pub
pub
pub