Mercados Polícia dos mercados suspende cotação de empresa que disparou mais de 2.700% este mês

Polícia dos mercados suspende cotação de empresa que disparou mais de 2.700% este mês

Em causa estão "questões relacionadas com transacções potencialmente manipuladoras nas acções da companhia em Novembro de 2017," refere a SEC. A empresa garante que está a trabalhar com o regulador.
Polícia dos mercados suspende cotação de empresa que disparou mais de 2.700% este mês
Reuters
Paulo Zacarias Gomes 19 de dezembro de 2017 às 16:54
As acções da The Crypto Company, uma empresa norte-americana que desenvolve soluções à base da tecnologia blockchain - a mesma que é usada por criptomoedas como a bitcoin - viu as suas acções suspensas em bolsa, depois de terem sido detectadas "transacçoes potencialmente manipuladoras" dos títulos.

A suspensão por parte da Securities and Exchange Commission (SEC) - que durará até 3 de Janeiro - foi decretada numa altura em que a empresa acumula uma valorização em bolsa de mais de 2.700% desde o início do mês. A 30 de Novembro, cada título valia 20 euros. No fecho da sessão desta segunda-feira, cada acção custava 575 euros, uma subida de 2.775%.

"Surgiram questões relacionadas com transacções potencialmente manipuladoras nas acções da companhia em Novembro de 2017," refere o comunicado da SEC que dá conta da decisão de suspensão temporária, onde também se mencionam dados recebidos pela SEC relacionados com a intenção de venda de acções comuns da empresa por parte de pessoas com informação privilegiada.

"Estamos suspensos e a prestar toda a informação. (...) A SEC está a enviar a mensagem errada. Estamos a trabalhar com o conselho [da SEC] e lidaremos com o assunto de forma adequada," disse Mike Poutre, CEO da empresa, ao Business Insider.

A valorização súbita das acções na bolsa norte-americana - desde que começou a cotar, em Setembro, disparou mais de 17.300% - coincidiu também com fortes ganhos verificados pela bitcoin, que no que vai deste mês já acumula uma apreciação de 85%.

Depois das subidas recentes, a empresa anunciou a realização de um split das acções, para converter cada título existente em 10 novas acções. Na altura, o presidente executivo da empresa afirmou esperar que, com um aumento do número de acções em negociação, a transacção passasse a ser mais "segura e organizada" para os investidores.

"Todos os investidores devem ser cautelosos quando vêem mercados voláteis como estes," disse Poutre. "Queremos que os investidores olhem para o negócio que estamos a construir e não para uma acção da moda ou para o mundo das criptomoedas," acrescentou.

A 4 de Dezembro, a empresa anunciou o início da primeira fase das operações para vender soluções para transacção de moedas virtuais. "Concentramo-nos em projectos de infra-estruturas e de plataformas desenhadas para constituírem o futuro da blockchain e das criptomoedas em todo o mundo," lê-se na descrição que é feita no site da The Cryto Company, empresa sediada em Malibu, no estado da Califórnia.

O valor da bitcoin recua 3% para 18.297,10 dólares, enquanto a ethereum dispara 14,2% para 841,24 dólares.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 19.12.2017

Descobriram a galinha dos ovos de oiro outra vez, não foi. quem quiser ir na excursão que o faça por sua conta e risco. Só faltava chamar contribuintes a cobrir a imprudência ambiciosa à solta.

Bela 19.12.2017

É para desconfiar tanta preocupação para quem investe nas criptomoedas quando os bancos estão a beira da falência, quando estão válidos e ficam com o nosso dinheiro os investidores e os clientes não sentem a mesma preocupação por parte dos reguladores ou banqueiros.

pub