Obrigações Portugal emite dívida de curto prazo a taxas ainda mais negativas

Portugal emite dívida de curto prazo a taxas ainda mais negativas

O IGCP colocou hoje 1.750 milhões de euros em títulos de dívida de curto prazo, com as taxas a renovarem mínimos históricos.
Portugal emite dívida de curto prazo a taxas ainda mais negativas
Bruno Simão
Nuno Carregueiro 17 de janeiro de 2018 às 10:39

Portugal obteve hoje 1.750 milhões de euros em bilhetes do tesouro a 6 e 12 meses, conseguindo taxas ainda mais negativas face aos leilões anteriores.

 

O IGCP colocou 500 milhões de euros em bilhetes do Tesouro a seis meses com uma taxa de -0,425%, abaixo dos -0,4% do leilão anterior.

 

Em bilhetes do Tesouro (BT) a 12 meses foram colocados 1.25 mil milhões de euros, com uma "yield" de -0,398%, que compara de forma favorável com a taxa de -0,349% registada no último leilão, realizado a 15 de Novembro.

 

O instituto liderado por Cristina Casalinho conseguiu assim novos mínimos históricos nas taxas de financiamento na emissão de dívida de curto prazo, não se sentido para já qualquer efeito da expectativa de retirada dos estímulos monetários por parte do Banco Central Europeu, de forma mais célere do que o previsto.

 

Nos BT com maturidade em Julho de 2018 a procura superou a oferta em 2,19 vezes, o que se situa abaixo da taxa do leilão de Novembro (2,91 vezes). Nos títulos de dívida com maturidade em Janeiro de 2019 a procura foi de 1,7 vezes a oferta, o que também ficou abaixo da emissão anterior (2,1 vezes).  


"Nunca tínhamos conseguido emitir dívida de curto prazo com taxas tão negativas. É uma excelente notícia, porque isso significa redução dos custos de financiamento do país", diz Filipe Silva, diretor da gestão de ativos do Banco Carregosa, lembrando que "em 2017 já tínhamos conseguido 'rolar' a dívida de curto prazo sempre com taxas mais baixas".

"Beneficiamos de toda a conjuntura favorável que temos tido nos últimos meses, desde a subida nos ratings até à aproximação das taxas portuguesas às dos outros países europeus, a chamada 'redução no spread'", acrescenta.


(notícia actualizada às 11:03 com mais informação)




A sua opinião16
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo 17.01.2018

Há quem tenha taxas de juro da dívida pública ainda mais negativas, desde há muito mais tempo e para muitos mais prazos. São aquelas economias, que pela sua reduzida dimensão junto dos seus principais parceiros económicos e comerciais (ex: 17 milhões de almas em 2 Alentejos, Holanda, desenvolve e produz para os gigantes económicos e para as potências todas) ou pelo seu incipiente (e transitório) grau de internacionalização (ex: Tigres económicos low-cost do ex-Bloco de Leste/Comunista), dependem de credores externos, e não tanto de internos (os internos, se os há, recebem juros para investir dentro da própria economia doméstica), e onde os mercados de factores produtivos e de bens e serviços são, histórica e culturalmente, mercados amplamente liberalizados onde se pode despedir e desinvestir onde já não faz qualquer sentido, para criar logo de seguida mais valor orientado por e para as condições de mercado, que de outra forma não poderia ser criado porque não haveria recursos para tal.

comentários mais recentes
General Ciresp 17.01.2018

Costumo dizer muitas vezes:sou como S.Tome ver para crer.Fica a ideia que estamos perante LAVAGEM DE DINHEIRO.O emprestador vai correr riscos e vai pagar por isso,gente afavel.

Anónimo 17.01.2018

Isso continuem a endividar-se que o crédito está baratinho! Não se preocupem que o BCE e o mr. Draghi pagam as dívidas todas! Siga a festa!

Anónimo 17.01.2018

Isto de emprestar a JRS negativos é irracional ou talvez tenha uma ou varias explicações.No entretantos as dividas portuguesas já devem ir nos 300 bilhões.Chegará a altura em que a dimensão será tal que os JRS negativos não impediram nova e agressiva bancarrota.

Fake news: a tanga continua ao engodo dos juros ba 17.01.2018

Eu tb tenho tx negativa do crédito H: -0.274% mais spread=0.5-->tx efetiva=0.226% positivo como não podia deixar de ser. E qual o spread dessa emissão c/tx negativa?Isso é q era interessante saber....mas tá quieto!É p manter o pessoal na ignorância....

ver mais comentários