Obrigações Portugal emite dívida com taxas ainda mais negativas

Portugal emite dívida com taxas ainda mais negativas

O IGCP colocou 1.750 milhões de euros em dívida a 6 e 12 meses. A procura aumentou e os juros voltaram a atingir mínimos históricos.
Portugal emite dívida com taxas ainda mais negativas
Pedro Elias
Nuno Carregueiro 19 de julho de 2017 às 10:39

Portugal regressou esta quarta-feira, 19 de Julho, ao mercado de dívida, tendo colocado 500 milhões de euros em bilhetes do Tesouro a 6 meses e 1.250 milhões de euros em títulos a 12 meses.

Nos títulos com maturidade em Janeiro (seis meses) o IGCP conseguiu uma taxa de -0,292%, inferior aos -0,21% da emissão semelhante realizada em Maio, que já era um mínimo histórico. Na colocação de títulos com maturidade em Julho de 2018 a "yield" situou-se em -0,259%, bem abaixo dos -0,153% da emissão de Maio. Em Junho a agência tinha colocado titulos com uma maturidade de 11 meses com um juro mais baixo (-0,264%).

O instituto que gere a dívida do estado conseguiu assim conseguir baixar os custos de financiamento na dívida de curto prazo, indiferente ao aumento dos juros no mercado secundário nos títulos de prazo mais longo, devido às perspectivas de retirada de estímulos por parte do Banco Central Europeu.

Além dos juros substancialmente mais baixos, o IGCP conseguiu também atrair uma procura superior. Na emissão de bilhetes do Tesouro a seis meses a procura superou a oferta em 2,77 vezes (2,23 vezes na emissão de Maio), enquanto nos títulos a 12 meses (onde foi colocado um montante superior) o rácio ficou em 1,7 vezes (1,62 vezes em Maio).

A procura robusta levou o IGCP a colocar o montante máximo pretendido, uma vez que o intervalo tinha sido fixado na sexta-feira entre 1,5 e 1,75 mil milhões de euros.

Na primeira semana de Julho a agência liderada por Cristina Casalinho fez um duplo leilão de longo prazo tendo-se financiado em mil milhões de euros. Com esta emissão, o Estado chega a Julho com mais de 70% da meta para a emissão de Obrigações do Tesouro cumprida.

 

(Notícia actualizada com gráfico às 11:15)




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz 19.07.2017

BOM BOM BOM... CARREGA CENTENO QUE O PAÍS VAI MAMAR DÍVIDA ATÉ REBENTAR NOVAMENTE...!!!

Anónimo 19.07.2017

Mas isto agora é ir todos os dias ao mercado pedir emprestado? Então com tudo a correr assim tão bem, para que precisamos de tanto cacau? Será que, quando chegar a hora de pagar, a menina da foto ainda estará no poleiro ou à xuxa, numa atitude de grande dignidade política, demite-se?

Anónimo 19.07.2017

Isto é tudo mentira. Isto é de loucos. Portugal a afundar-se. A taxa de Espanha é melhor (alguma vez foi pior ??).
Esperem que ainda não viram tudo. Tenham esperança que o PPC há-de voltar, como voltou o D. Sebastião.

Anónimo 19.07.2017

Os bancos prefrerem emprestar a -0,29% a Portugal do que por o dinheiro a -0,4% no BCE. É para isto que servem as taxas de juro negativas: desvalorizar as poupanças,e arruinar os bancos para tentar salvar os sobreendividaos. Que cada vez se endividam mais.
Isto está entregue a loucos!

ver mais comentários
pub