Obrigações Portugal vai emitir dívida a 28 anos

Portugal vai emitir dívida a 28 anos

O IGCP volta ao mercado para emitir dívida até mil milhões de euros. Pela terceira vez na história vai emitir títulos com maturidade próxima de 30 anos.
Portugal vai emitir dívida a 28 anos
Pedro Elias
Nuno Carregueiro 07 de julho de 2017 às 16:39

Na próxima semana, o IGCP volta ao mercado para emitir dívida até mil milhões de euros, num duplo leilão de títulos com uma maturidade de 10 e 28 anos. 

 

"O IGCP, E.P.E. vai realizar no próximo dia 12 de Julho pelas 10:30 horas dois leilões das OT com maturidade em 14 de Abril de 2027 e 15 de Fevereiro de 2045, com um montante indicativo global entre EUR 750 milhões e EUR 1000 milhões", refere um comunicado do IGCP.

 

No programa de financiamento para o terceiro trimestre, o instituto que gere a dívida do Estado previa a realização de várias emissões de obrigações do Tesouro, "através da combinação de sindicatos e leilões, sendo esperadas colocações de 1.000 a 1.250 milhões de euros por leilão".

 

O IGCP não tinha indicado quantos leilões de dívida de longo prazo iria realizar, nem com que maturidades. Se a emissão de obrigações a 10 anos tem sido prática habitual, o mesmo não se pode dizer da dívida a 28 anos.

 

A última vez que emitiu dívida com maturidade tão longa foi em 2015, quando lançou uma linha de títulos a 30 anos anos. Em Janeiro desse ano abriu uma linha com maturidade a 15 de Fevereiro de 2045, tendo colocado 2 mil milhões de euros, através de uma emissão apoiada num sindicato bancário. 

 

Desta vez a colocação dos títulos será realizada através de um leilão, com a reabertura desta linha co maturidade a 15 de Fevereiro de 2045. Na operação realizada em Janeiro de 2015 o IGCP colocou os títulos a 20 anos com uma taxa de juro implícita de 4,13%.

 

Esta emissão de 2015 foi apenas a segunda vez na história que Portugal realizou uma missão de OT a 30 anos. A primeira foi em 2006, antes da crise financeira, numa operação em que o país obteve três mil milhões de euros com uma taxa de 4,1%.
 

No mercado secundário, os juros das obrigações a 30 anos está hoje nos 4,05%, nível mais elevado desde Maio . É assim expectável que na quarta-feira, quando realizar a terceira emissão da história de títulos com maturidade tão longa, Portugal suporte um custo de financiamento idêntico aos das duas operações anteriores (2015 e 2006).   

 

O IGCP volta assim a aproveitar o momento actual de juros reduzidos nos mercados, para se financiar em prazos muito longos.




A sua opinião25
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 07.07.2017

Para entender a crise de equidade e sustentabilidade que tem afectado as economias desenvolvidas e posto territórios como os de Portugal e Grécia nas más bocas do mundo, é fundamental perceber que para uns serem excedentários ou pagos acima do preço de mercado, outros têm que pagar mais caro quando consomem bens e serviços, pagar mais taxa de imposto quando são tributados, obter menor retorno sobre o investimento quando investem, poupar menos quando aforram, ser pior remunerados, abaixo do seu preço de mercado, quando oferecem trabalho com real procura...

comentários mais recentes
Anónimo 08.07.2017

Toda esta canalha e não só no tempo da troika diziam que a divida era insustentável mas continuam a aumenta-la. E o PR? Beijinhos, afetos, abraços, ...

CASALINHO CALOTEIRA 08.07.2017

É a maior caloteira do país. Está sempre a pedir dinheiro emprestado e não paga....

Maria 08.07.2017

Esta matéria só ENGANA quem quer...sobretudo os eleitores da "esquerdalha"! Mais uma DÍVIDA BRUTAL A 28 ANOS, já quase nem os meus bisnetos se livram dela! "CORTA aqui, CORTES ali"...e tudo em nome do..."DEFICIT". Ah! que tal as férias, Costa?

Camponio da beira 07.07.2017

Mas quem votou neste governo não foi para 4 ou 5 anos?

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub