Petróleo Preços dos combustíveis regressam às subidas

Preços dos combustíveis regressam às subidas

Os aumentos serão ligeiros, mas devem mais do que anular a descida desta semana. A culpa é sobretudo do furacão Harvey.
Preços dos combustíveis regressam às subidas
Nuno Carregueiro 25 de agosto de 2017 às 14:04

Depois de um interregno na semana passada, os preços dos combustíveis vão voltar a ficar mais caros a partir da próxima segunda-feira. Será a sétima semana de subidas nas últimas oito, sendo que neste período o preço do gasóleo aumentou 3% enquanto a gasolina ficou 2% mais cara.

 

Os aumentos previstos são ligeiros, mas ainda assim suficientes para mais do que anular as ténues descidas registadas na segunda-feira passada: 0,4 cêntimos no gasóleo simples e 0,2 cêntimos na gasolina simples, de acordo com os preços médios anunciados no site da DGEG.

 

Na semana que hoje termina a tonelada métrica da gasolina (tendo em conta a média das cotações de cada dia) valorizou mais de 1%. No caso do gasóleo a subida foi um pouco mais ténue.

 

Esta evolução dos preços nos mercados, de acordo com os cálculos do Negócios, aponta para um agravamento de cerca de meio cêntimo no preço de venda do litro dos dois combustíveis. Contudo, falta ainda reflectir a evolução de hoje das cotações, que está a ser marcada por uma subida devido ao impacto provocado pelo furacão Harvey.

 

De qualquer forma, de acordo com uma fonte do sector, o aumento previsto para segunda-feira não ultrapassará 1 cêntimo por litro, sendo que a pressão é maior no caso da gasolina.    

 

No caso do petróleo o saldo semanal até é negativo, mas muito ligeiro já que o furacão Harvey colocou a matéria-prima em alta na última sessão e também hoje. O barril de Brent em Londres está a ser transaccionado acima dos 52 dólares, mas abaixo do nível registado na sexta-feira passada.   

 

Os distúrbios causados pelos furacões têm habitualmente maior impacto nas cotações dos combustíveis refinados, o que hoje já é evidente, dado que a gasolina nos Estados Unidos está a valorizar mais do que o petróleo.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Miguel Há 4 semanas

Entao mas Portugal compra principalmente no mercado europeu Brent, e o furacao nao e no Golfo do Mexico , bem sera que a geografia do planeta muda consoante as vontades ehehheheheheh

Anónimo Há 4 semanas

Curioso, em Espanha baixa. Espanha deve comprar a Marte ou assim... E viva o Socialismo!

Camponio da beira Há 4 semanas

Deve ser por culpa do petroleo estar tão baixo.

Anónimo Há 4 semanas

Dão cinco nas pensões, aumentam cêntimo aqui cêntimo ali, e levam vinte. Tudo na boa. É disto que o tuguinha democrata e intelectual canhoto gosta. P'rá semana há mais.

ver mais comentários
pub