Bolsa Principais índices de Wall Street voltam todos a recorde

Principais índices de Wall Street voltam todos a recorde

As bolsas norte-americanas prosseguiram o movimento de subida, esta sexta-feira, com os principais índices a estabelecerem novos máximos históricos.
Principais índices de Wall Street voltam todos a recorde
Reuters
Carla Pedro 09 de dezembro de 2016 às 21:35

Os mercados accionistas do outro lado do Atlântico continuaram a ganhar terreno, situando-se em patamares nunca antes vistos, impulsionados sobretudo pelos títulos ligados às matérias-primas, tecnologias e cuidados de saúde.

 

O S&P 500 encerrou a sessão a somar 0,59% para 2.259,53 pontos, depois de a meio da jornada ter atingido os 2.259.80 pontos - o que constitui o terceiro máximo histórico consecutivo. O índice registou também o maior ganho semanal desde as eleições presidenciais de 8 de Novembro (3,08%) e marcou a mais longa série de subidas desde Junho de 2014.

 

O Dow Jones, por seu lado, fechou a ganhar 0,72% para 19.756,85 pontos, tendo na negociação intradiária tocado nos 19.757,74 pontos, valor nunca antes atingido. E isto após ter marcado máximos de sempre nas sessões de segunda, quarta e quinta-feira (na terça-feira não houve máximo histórico, mas houve recorde de fecho).

 

Este tem sido o índice mais sustentado pela perspectiva de um aumento dos gastos em infra-estruturas durante a presidência de Donald Trump, que assume funções a 20 de Janeiro.

 

Também o tecnológico Nasdaq Composite negociou todo o dia em terreno positivo, terminando a valorizar 0,50% para 5.444,49 pontos. O máximo histórico foi alcançado a meio da sessão, nos 5.450,16 pontos.

 

A completar o quarteto de recordes esteve o Russell 2000, índice que agrega as principais "small caps" [empresas com baixas capitalizações bolsistas, que estão a beneficiar da especulação de que as políticas de Trump "viradas para dentro" irão favorecer as companhias mais focalizadas no mercado interno], que fechou a subir 0,12% para 1.388,07 pontos, depois de atingir um máximo de 1.387,88 pontos durante a sessão.

 

A sustentar a tendência altista em Wall Street estiveram sobretudo os títulos ligados às matérias-primas, tecnologias e aos cuidados de saúde.

 

As "commodities" têm sido fortemente sustentadas desde que Donald Trump venceu as eleições presidenciais dos EUA a 8 de Novembro, dada a expectativa de um aumento dos gastos em infra-estruturas e uma redução do peso regulador sobre a banca.

 

Dentro deste sector, o destaque de hoje esteve uma vez mais nos títulos da energia, numa jornada em que os preços do petróleo continuaram a valorizar nos mercados internacionais – a ajudar esteve o facto de a Arábia Saudita ter garantido que vai implementar o corte de produção acordado no âmbito da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP).

 

Os investidores aguardam com expectativa a reunião da Reserva Federal norte-americana, já na próxima semana. Os economistas inquiridos pela Bloomberg apontam para uma probabilidade de 100% de a Fed aumentar os juros na reunião de 13 e 14 de Dezembro – quando no início de Novembro, antes das eleições presidenciais de dia 8, a expectativa média de isso acontecer estava nos 68%.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pedro valente Há 2 dias

Muito interessante e
Boa informação.

pub